Como seu cérebro reage ao fim de um relacionamento

Pode não parecer logo após um fora, mas pesquisas indicam que somos, sim, muito bons em superar fins de relacionamentos. Essa revisão de estudos provou que nossos cérebros são “programados” para superar a perda de um ser amado – e buscar outro rapidamente. Segundo um dos autores da pesquisa, Brian Boutwell, da Saint Louis University, nosso cérebro tem um mecanismo, desenvolvido a partir da seleção natural, para nos tirar de situações tumultuosas o mais rápido possível. Ou seja, a ciência prova o que sua avó já sabia: o tempo cura.

Para chegar a essa conclusão, além de revisar pesquisas passadas, os cientistas analisaram imagens do cérebro de homens e mulheres que se diziam extremamente apaixonados. Nesses casos, foram notadas atividades em áreas cerebrais associadas com o prazer – as mesmas ativadas pelo uso de drogas, por exemplo. Com isso, os pesquisadores acreditam que essa reação inicial pode ser associada com os primeiros momentos da paixão, a atração física. Mas que o processo reverso acontece quando terminamos o relacionamento.

13

“Este circuito no cérebro, que está profundamente associado a comportamentos de dependência, implica nos sentimentos associados a atração romântica e pode ajudar a explicar o afeto que muitas vezes acompanha os sentimentos iniciais de paixão física com um parceiro em potencial”, diz o relatório . Para cair fora do amor, então, poderia ser comparado a ir  frio.

Um dos fatores-chave para a pesquisa, como Boutwell aponta, parece ser a nossa aversão natural para a monogamia, ou a ideia de uma “alma gêmea.” Embora possamos nos apaixonar de uma forma profunda, isto não quer dizer que só possa acontecer com uma pessoa. A nossa capacidade neurológica para lidar com a turbulência amorosa pode levar a crença de que a política de ter apenas um parceiro não é como nós evoluímos naturalmente.

Com isso pesquisadores esperam poder ajudar não só pessoas a entender melhor como funciona o fim do sentimento, mas também que essa compreensão previna o fim de relacionamentos por motivos bobos.

Via The Daily Beast

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Rômulo

Rômulo