Um mal-estar com a modernização

É sabido por todos que vivemos em tempos iluminados por informações, no entanto, precisaríamos questionar o quão positiva é toda essa “luz”. É preciso analisar até que ponto toda essa tempestade de coisas para serem vistas é positiva na construção de um conhecimento rigoroso e bem organizado.

Parece, através das redes socias, que sabemos um pouco de tudo, mas conhecemos muito de nada, ou seja, não buscamos nos aprofundar, nos contentamos com as coisas que aparecem em nosso feed.  Todo esse saber, aparente, que adquirimos  é superficial, serve apenas para uma mera “curtida”… Você curte a postagem ali por um momento, mas passa-se a noite e todas informações já foram embora da sua mente.

Doravante, é possível perceber facilmente que a maneira como lidamos com determinadas coisas é, por vezes, assustadora. Somos filhos do nosso tempo, uma era tecnológica e cheia de informação, o que seria ótimo se buscássemos usufruir da melhor maneira possível.

Obviamente que não podemos generalizar, entretanto, é válido ressaltar que o problema não está apenas no âmbito do conhecimento, mas até mesmo na maneira com a qual nos relacionamos.

Vivemos infestados por imposição exterior, altamente influenciados por tudo que vemos nas redes sociais. Utilizamos de aplicativos para escolher pessoas como quem escolhe um produto em um supermercado. Acabamos com o romance, com o mistério e qualquer outro tipo de “tempero” que poderia existir no simples ato de conhecer alguém… É a maneira líquida de lidar, de fugir para não dar a cara à tapa ou de esforçar-se por algo… Tornando, assim, a vida efêmera, vazia e quase insuportável.

Tudo isso faz parte de um modelo moderno de viver, e é insuportável porque à cada dia que passa, mais pessoas tornam-se adeptas. Você pode ver, os reflexos estão por toda as partes, no modelo frio de construção dos prédio que visam apenas o lucro construindo apenas paredes retas e desanimadoras, nas músicas que escutamos que não prezam nenhuma letra, nem qualquer bom instrumento e até mesmo nos remédios que consumimos. Estamos tristes e sufocados por não perceber o mar no qual estamos nadando (nos afogando) ou por nossa própria covardia de nadar contra a maré.

Me parece inaceitável.

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Isadora Tabordes

Isadora Tabordes

Cofundadora e desenvolvedora do site Vida em Equilíbrio, estudante de Filosofia na Universidade Federal de Pelotas.

"Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Janelas do meu quarto, do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é...
E se soubessem quem é, o que saberiam? Fernando Pessoa