abdicar, é deixar-se?

Olá delícias!
Obrigado pelos e-mails, pela leitura, pelos compartilhamentos e trocas de experiências.

Há quem diga que, muitas vezes devemos nos abdicar de nossos conceitos, pensamentos, atitudes, opiniões, ou seja, abdicar de nós, para tentar compreender, interagir, entender e tantas outros termos que possamos usar para viver de alguma forma empática e apática as relações humanas.

Ainda que esta abdicação deva acontecer por renúncia e vontade própria, o que me parece estar acontecendo é que estamos sendo forçados a vivenciar essa “experiência”, sem nos perguntarem de fato se queremos ou não.E pior que isto, quando respondemos com a negativa que não desejamos, somos bombardeados de opiniões, julgamentos ( por que o pré julgar nessas horas nem existe mais), somos colocados a mercê de análises e sintaxes do que por que sermos tão egoístas, ao invés de nos comportarmos como os “heróis” altruístas da situação.

Fica a pergunta para pensar: Quando abdicamos de nós, será neste momento que erramos mais?

Deve ser não acham.Por que quando deixamos por algum momento a opinião geral, o desejo de outros, a vontade de poucos dominar nossas ações, todos os nossos princípios, aprendizados e experiências de nada nos valem.Tudo isso, para nos encaixarmos em alguma situação de maioria, tudo isso para aceitar as mazelas do outro, tudo isso para uma bom convívio social, tudo isso para ser aceito, tudo isso para ser compreendido e compreender. enfim tudo isso para viver em uma sociedade, onde ter opinião e ser quem você é de fato, está a custar muito caro.

Abdicar-se pode ser uma tentativa de equilíbrio diário para conviver.
Renan Alexandre.

Acredito que erramos sim, quando abdicamos de nós, em propósito de agradar ao outro, de nos fazer sentirmos importante para outra pessoa, começamos a errar em nos anular, nos esconder á sombra de outro alguém e viver a vida da outra pessoa.
Não que exista apenas o lado negativo de abdicar-se, mas é que se pararmos para analisar, quando efetuamos tal ação, na maioria das vezes deixamos de viver a nossa vida e vivemos algo como diria Zeca Pagodinho:”deixa a vida me levar…”

O termo parece estar sendo usado muito mais como ” se esconder”, do que algo fraterno, de ação transformado para a nossa vida e a vida de outrem,por que cansamos de ouvir pessoas que usam tal palavra, e a entonação é sempre de reclamação, por que não foi uma experiência válida, de aprendizado, de evolução como ser humano, mas sim um tempo perdido, uma experiência falida, um desperdício de entrega, algo que não vai somar, e que parece até ser egoísta pensar assim, por que quando se abdica de algo, tem-se o pensamento de não ser por interesse, ainda que este esteja no inconsciente.

Gosto muito de locais para pensar, praia ao final da tarde,um banho, um morro qualquer distante para refletir, uma caminhada qualquer, mas não existe mais nada desafiador e tão confrontador quanto o espelho.Ele te releva verdades, é o momento de você com você, por isso, já fizestes este desafio?
De frente ao espelho,olhar-se profundamente e perguntar: O que tens abdicado em sua vida? Será que essa abdicação não está induzindo você a erros? É uma experiência válida, ou está valendo a pena?

De uma forma ou de outra, toda forma de abdicar de algo gera impactos e mudanças, conte-nos o que tens abdicado e as mudanças em sua vida.
Estamos esperando!

e-mail:[email protected]

Uma semana cheia de Luz e Paz!

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Fala Serio SQ

Fala Serio SQ

Fala Sério SQ um blog que fala das coisas do "day by day", através de fatos, acontecimentos e palavras soltas por aí.
Escrito por Renan Alexandre, formado em Relações Internacionais, Ator e futuro Pedagogo.
Venha conosco Falar Sério ou Nem tão Sério assim.