Como viver antes que a morte chegue

Normalmente, ninguém sabe quando a morte está próxima.

Enquanto vivos, temos, sonhos, desejos, ambições, e uma missão.

Nesta vida ao morrer, tudo cessa, acaba.

Ter medo de morrer não é errado.

Ter medo de viver, sim é errado.

A vida nos apresenta muitas surpresas, algumas boas outras ruins.

Pedimos ajuda quando estamos cientes de que vamos morrer.

Muitas vezes, nos é tirada essa possibilidade.

Te digo isto:  antes que a morte chegue, devemos pedir ajudar para poder viver.

Enquanto vivos, para não nos arrependermos, vamos procurar viver a vida como gostaríamos, e não em favor de quem quer que seja.

Mesmo com relacionamentos estáveis, ou estando casados, ou construindo laços de amizade, temos nossa individualidade, e ela deve ser respeitada.

Somos únicos.

Geralmente perdemos tempo com futilidades, e várias coisas que nos roubam tempo de vida, deixando de realizar projetos, por em prática a materialização dos sonhos, ou ainda dar o primeiro passo no caminho de nossa missão.

Sempre temos o poder da escolha, da decisão.

Nós vivos podemos nos arrepender de coisas que fizemos, ou deixar de fazer, e jamais saber o resultado.

Devemos respeitar nossa personalidade, nossa identidade, e a cada dia definir quem somos.

Ao abrir e fechar de olhos, é assim como um filme que se passa em nossa mente.

Ter momentos necessários para se viver bem.

Conhecer a si, investir no próprio desenvolvimento pessoal, ampliar seu horizonte a fim de abrir um leque de oportunidades, que farão a diferença em sua experiência de vida, somente tem valor enquanto estamos vivos.

Uma das formas de morrer aos poucos é não expressar os seus sentimentos, todos eles, daí vem o ressentimento.

Alguém sabe a resposta, antes que alguém faça a pergunta? Normalmente não.

Tiramos conclusões demais.

Uma plantação é uma boa comparação do ciclo da vida.

Ao cuidarmos de uma plantação, nós regamos, podamos, fertilizamos, para que venha florescer, ou frutificar. Assim é no ciclo familiar, com as amizades, e nos demais ambientes da sociedade em que vivemos.

Se não cuidarmos da plantação, ela desaparece, morre.

Todos têm vocação para viver feliz.

Se não permitirmos transformações em nossas vidas, mantendo as mesmas atitudes, estamos nos limitando, e jamais saberemos quais resultados poderiam ter sido alcançados.

Aqueles que perderam um ente querido (a) expresso as minhas condolências:

Em um momento como este, não há muitas palavras para serem ditas, talvez um abraço e a presença sejam o melhor que alguém possa exprimir, contudo, não posso ficar em silêncio, sinto a necessidade de ser mais do que um gesto, pois todas as palavras escritas e imagináveis não seriam capazes de confortar ninguém, nem nenhuma família a qual um ente querido morre.

Alguém escreveu: “A morte vem e arrebata os afetos de nossa alma
deixando o coração dilacerado. Sentimo-nos perdido.
Não sabemos que rumo tomar. Ficamos atônitos,
sentimo-nos como uma árvore ressecada sem folhas, sem brilho
e sem motivo para viver”.

Não podemos questionar as razões, temos que apenas aceitar as coisas da melhor maneira possível, não adianta brigarmos, lutarmos, nada trará a pessoa de volta. Ela partiu para o descanso, cumpriu seus afazeres neste plano, não compreendemos e por isso, muitas vezes nos revoltamos com tudo desta vida, contudo, o arquiteto de nossa existência (DEUS), sabe exatamente até onde podemos ir.
Nosso tempo continua, ficamos com a saudade e com o sentimento de não podermos fazer nada a respeito, apenas existe a dor da perda e também o arrependimento por ter falado demais ou, de menos. É um momento complicado para quem fica, pois, são os vivos que continuam com a consciência da existência. Cumpre a nós a esperança de um milagre.

Deus não falha em suas promessas.

Agora para nós os vivos ficam as saudades.

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Euclydes Zanon Filho

Euclydes Zanon Filho

Eu sou Euclydes Zanon Filho, e meu ser permite SER, formado no curso superior em Gestão de Serviços, participo de treinamentos de desenvolvimento pessoal e comportamentos, e escrever é uma forma de dividir a luz interior, o meu resgate é contínuo, o meu despertar é diário, e é incrível!