8 coisas comprovadas pela ciência que o deixarão muito mais feliz

A maior felicidade pode ser encontrada de formas inesperadas. É a ciência que diz.

Todos nós queremos ser mais felizes e sentir uma sensação maior de satisfação.

É por isso que muitas vezes escrevo sobre o que pessoas felizes fazem com mais frequência, sobre alguns dos hábitos de pessoas incrivelmente felizes, sobre coisas que deve parar de fazer para que você seja mais feliz no trabalho, sobre hábitos diários simples de pessoas excepcionalmente felizes.

E recentemente eu escrevi sobre as escolhas difíceis que as pessoas fazem que as tornam mais felizes, especialmente no longo prazo.

Kevan Lee, diretor de marketing da Buffer, também escreve muito sobre felicidade.

Aqui está o Kevan:

Na Buffer, nós amamos a felicidade. Renomeamos a satisfação do cliente para felicidade do cliente. A felicidade é moldada em nossa cultura e valores e no DNA de cada pessoa que trabalha na equipe. Se houver um sorriso ou uma perspectiva positiva, faremos o possível para encontrá-los.

Então eu pensei: existem maneiras inesperadas de ser feliz?

Eu reuni pesquisas sobre as muitas maneiras inesperadas e contraintuitivas de encontrar a felicidade:

Confira:

1. Aprenda algo novo, mesmo que seja estressante: dominar uma nova habilidade significa mais estresse agora, mas mais felicidade depois

Como ser feliz, segundo a ciência

Se você estiver disposto a passar por um pouco de estresse a curto prazo, poderá experimentar enormes ganhos de felicidade a longo prazo.

Então, aprenda uma nova habilidade. Embora você tenha um pouco mais de estresse, a pesquisa mostra que você será mais feliz a cada hora, a cada dia e no longo prazo.

Os ganhos desse investimento em tempo e energia foram documentados em um estudo de 2009 publicado no Journal of Happiness Studies.

Os participantes que passaram algum tempo em atividades que aumentaram sua competência, atenderam à sua necessidade de autonomia ou os ajudaram a se conectar com outras pessoas relataram a diminuição da felicidade no momento e aumento da felicidade de hora em hora e diariamente.

O segredo, de acordo com o estudo, é escolher a nova habilidade correta para dominar, desafio a empreender ou a oportunidade de sair da sua zona de conforto.

Os maiores aumentos na felicidade vêm da aprendizagem de uma habilidade que você escolhe, em vez de uma que você acha que deveria ou se sente forçado a aprender.

2. Faça amizade com pessoas que moram perto de você: o melhor é um amigo feliz que mora a um quilômetro de distância.

Como ser feliz, segundo a ciência

A cidade de Framingham, Massachusetts, foi o foco de um estudo multigeracional sobre a felicidade conhecido como Framingham Heart Study.

A partir de 1948, o estudo acompanhou três gerações de moradores de Framingham e seus filhos para descobrir tendências na maneira como a felicidade se move entre a população.

Alguns dos tópicos:

  • A felicidade individual atravessa grupos de pessoas em cascata, como o contágio.
  • Quanto mais pessoas felizes você adicionar à sua vida, maior será o efeito positivo que ela terá em você. (Isso não é verdade para tristeza)
  • Os amigos geograficamente próximos (e vizinhos) têm o maior efeito na felicidade.

Então, os pesquisadores destrincharam o efeito da felicidade com base no relacionamento de um participante com os outros e sua proximidade um do outro.

O que eles descobriram? Aqui está o ranking, desde o maior impacto na felicidade até o menor:

  1. Amigos mútuos próximos (que literalmente explodiram na classificação; a probabilidade de aumentar a felicidade é de 148%)
  2. Vizinho ao lado
  3. Amigo próximo (uma pessoa que o participante nomeou como amigo, mas o “amigo” não retribuiu esse rótulo)
  4. Amigo percebido próximo (uma pessoa que o participante não nomeou como um amigo, mas que alegou ser um amigo do participante)
  5. Irmão próximo
  6. Cônjuge co-residente
  7. Irmão distante
  8. Cônjuge não co-residente
  9. Vizinho do mesmo bairro
  10. Amigo distante

A proximidade de amigos mútuos próximos, de acordo com o estudo, incluiu aqueles que viviam a um quilômetro do participante. Os outros caíram na categoria de “amigo distante”.

O principal tópico: Tudo bem ter amigos distantes, mas quanto mais próximos estiverem seus amigos de onde você mora, melhor.

3. Abrace sentimentos opostos ao mesmo tempo: alegre + abatido = feliz

Como ser feliz, segundo a ciência

“Reconhecer a complexidade da vida pode ser um caminho especialmente frutífero para o bem-estar psicológico”, segundo o psicólogo Jonathan Adler, da Faculdade de Engenharia Franklin W. Olin.

Ele acha que a felicidade pode vir de perceber e abraçar um amplo espectro de emoções – boas e ruins.

Adler e seu colega Hal Hershfield realizaram um estudo sobre a chamada experiência emocional mista e como ela se relaciona com o bem-estar psicológico positivo.

Eles monitoraram participantes que passaram por 12 sessões de terapia semanais e preencheram questionários antes de cada sessão.

Os resultados: Sentir-se alegre e abatido ao mesmo tempo foi um precursor para melhorar o bem-estar nas sessões seguintes.

Por exemplo, alguém pode dizer: “Sinto-me triste por causa das recentes perdas em minha vida, mas também estou feliz e encorajado a superá-las para um resultado positivo”.

De acordo com Adler, “levar as coisas boas e ruins juntas pode desintoxicar as experiências ruins, permitindo que você dê sentido a elas de forma que apoie o bem-estar psicológico”.

Hershfield prosseguiu com outro estudo sobre emoções mistas e saúde.

Depois de estudar os participantes ao longo de um período de 10 anos, ele e sua equipe descobriram uma correlação direta entre aceitar a mistura de emoções(como “levar a coisa boa e ruim”) e ter boa saúde física.

Ainda não está convencido?

Um estudo de 2012 da psicóloga Shannon Sauer-Zavala, da Universidade de Boston, descobriu que a plenitude ajudava os participantes a superar os transtornos de ansiedade através da aceitação de sua ampla gama de sentimentos e, então, trabalhando para a melhora.

Portanto, não ignore sentimentos negativos. Abrace-os – e depois trabalhe ativamente para superar quaisquer problemas que você enfrentar.

4. Invista em um bom aconselhamento: a terapia é 32 vezes mais eficaz que o dinheiro.

Como ser feliz, segundo a ciência

O dinheiro pode comprar felicidade?

Não de acordo com a pesquisa do psicólogo Chris Boyce, e não tão bem quanto uma sessão de aconselhamento regular.

Basicamente, temos mais felicidade pagando por terapia ou recebendo dinheiro na mão?

Os resultados foram incrivelmente desequilibrados:

  • A terapia foi 32 vezes mais eficaz que o dinheiro.
  • US$ 1.300 em terapia equivalia ao benefício de obter um aumento de US$ 40.000.

O estudo certamente destaca o valor do aconselhamento e também mostra o benefício geral de experiências intangíveis, relacionamentos e comunicação sobre posses, coisas e dinheiro.

Se você está buscando a felicidade, nunca tenha medo de se perguntar se está procurando nos lugares certos.

5. Diga “não” a quase tudo. Melhor ainda, diga “eu não”.

Como ser feliz, segundo a ciência

De acordo com Warren Buffett, “A diferença entre pessoas bem-sucedidas e pessoas muito bem-sucedidas é que pessoas muito bem-sucedidas dizem ‘não’ a quase tudo”.

A sobrecarga é uma receita para a infelicidade. Então, se você quer ser feliz, ganhe algumas vitórias rápidas dizendo não.

Mas diga não do jeito certo: diga “eu não”. Acredite ou não, usar a frase “eu não” é até oito vezes mais eficaz do que dizer “não posso”. E mais de duas vezes mais eficaz que um simples ‘não’.

O Journal of Consumer Research publicou vários estudos sobre essa diferença de terminologia. Um dos estudos dividiu os participantes em três grupos:

  • O grupo 1 foi informado de que sempre que se sentissem tentados a falhar em seus objetivos, deveriam “apenas dizer não”. Este grupo foi o grupo de controle, porque eles não receberam nenhuma estratégia específica.
  • O grupo 2 foi informado de que sempre que se sentissem tentados a falhar em seus objetivos, deveriam implementar a estratégia “não posso”. Por exemplo, “eu não posso perder meu treino hoje”.
  • O grupo 3 foi informado de que sempre que se sentissem tentados a falhar em seus objetivos, deveriam implementar a estratégia “eu não”. Por exemplo, “eu não perco treinos”.

E os resultados:

  • O grupo 1 (o grupo “apenas diga não”) fez com que três em cada 10 membros cumprissem seus objetivos durante os 10 dias inteiros.
  • O grupo 2 (o grupo “não posso”) fez com que um em cada 10 membros cumprissem seu objetivo durante os 10 dias inteiros.
  • O grupo 3 (o grupo “eu não”) teve um incrível número de oito em cada 10 membros cumprindo seus objetivos durante os 10 dias inteiros.

Os resultados deste estudo criam um ótimo modelo sobre como dizer não.

6. Prepare-se para o pior; espere o melhor: tenha a abordagem samurai para a felicidade.

Como ser feliz, segundo a ciência

Os guerreiros samurais tinham dois elementos essenciais para o melhor desempenho: eles treinavam extremamente duro, e se preparavam para o pior.

O último elemento, a chamada “visualização negativa”, tem suas raízes no estoicismo. Oliver Burkeman escreveu um livro sobre a felicidade contraintuitiva, incluindo seções sobre essa ideia do pensamento estoico.

Em uma entrevista com o escritor Eric Barker, Burkeman explicou:

É o que os estoicos chamam de “a premeditação” – que, na verdade, há muita paz de espírito a ganhar ao pensar com cuidado, em detalhes e conscientemente sobre o quanto as coisas poderiam ir mal.

Na maioria das situações, você descobrirá que sua ansiedade ou seus medos sobre essas situações foram exagerados.

Outro benefício da visualização é que você se sente mais no controle quando tem um plano para vários resultados. SEALs da Marinha passam por treinamento psicológico para que eles se sintam no controle em todos os momentos.

E de acordo com a neurociência, o cérebro pode continuar funcionando normalmente, desde que mantenhamos a ilusão de controle (via treinamento e visualização).

7. Desista de suas coisas favoritas: apenas por um dia ou dois, não para sempre.

Como ser feliz, segundo a ciência

Aqui está a essência de uma ideia de Eric Barker, autor do blog Barking Up the Wrong Tree: “Negar-se algo a si mesmo faz com que você aprecie as coisas que você subestima.”

Os elementos científicos em jogo são autocontrole e força de vontade.

Pesquisadores que conduziram uma revisão de 83 estudos sobre autocontrole concluíram que a força de vontade diminui à medida que o dia passa, mas você pode treinar a força de vontade da mesma forma que um músculo.

Em resumo: exercer autocontrole leva a mais autocontrole ao longo do tempo.

O professor de Harvard, Michael Norton, tem uma ótima maneira de pensar sobre isso:

A ideia é que você pare com as coisas que realmente gosta muito. Pare. Então, se você ama, todos os dias, tomar o mesmo café, não tome por alguns dias e, quando você esperar e tomar de novo, será muito mais incrível do que todos aqueles que você teria tomado no meio tempo. O problema com isso é que, em qualquer dia, é melhor tomar um café do que não tomar, mas se você esperar três dias e não tomar, será muito melhor quando finalmente tomá-lo.”

Interromper nosso consumo é gratuito. Na verdade, você economiza dinheiro e extrai mais felicidade do dinheiro gasto. É o melhor dos mundos, mas somos completamente incapazes de fazê-lo, porque sempre queremos assistir a coisa ou comer a coisa agora mesmo.

Não é “desistir para sempre”. É “desistir por curtos períodos de tempo, e eu prometo que você vai amar ainda mais quando voltar a isso”.

Pense no café diário, na maratona do Netflix, nos jogos de iPhone, etc.

Encontre mais felicidade praticando paciência com as coisas que você ama.

8. Celebre os pontos fortes; reconheça os pontos fracos: dê a si mesmo permissão para ser você mesmo.

Como ser feliz, segundo a ciência

Você já ouviu a velha máxima: “você pode ser qualquer coisa que queira ser”. Tom Rath coloca um pouco diferente: “Você pode ser muito mais do que você já é”.

Quando somos capazes de colocar a maior parte da nossa energia no desenvolvimento de nossos talentos naturais, existe um espaço extraordinário para o crescimento.”

O psicólogo Paul Pearsall chama isso de “abertamento” (sua expressão cunhada pelo oposto de “encerramento”). Pearsall diz que devemos abraçar as imperfeições e celebrar os pontos fortes.

A pesquisa também mostra que o fato de nos colocarmos em lugares onde não nos encaixamos pode levar a resultados indesejáveis.

Como exemplo extremo, um estudo de Joanne Wood, da Universidade de Waterloo, pediu às pessoas com baixa autoestima que dissessem a si mesmas: “Sou uma pessoa amável” e, na conclusão do exercício, os participantes sentiram-se reafirmados em sua baixa autoestima, em vez de capazes de mudar.

Se a felicidade parece ilusória porque você sente a necessidade de ser alguém que não é, então conforte-se com Rath. Comemore o que você é bom, e agradeça que todos nós trazemos características únicas para a mesa.

Fonte: Awebic

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Vida em Equilíbrio

Vida em Equilíbrio

Para viver bem, é necessário ter a saúde corporal e mental em equilíbrio. Nossa intenção é proporcionar todo o conteúdo que irá lhe ajudar a ter uma vida mais saudável.