O que fazer quando a preocupação aniquila sua vida?

  Hoje vejo o quão tolo é o ato de preocupar-se demais com a vida. A constante preocupação com o amanhã, com as coisas que poderiam ter acontecido ou que poderão acontecer vai aniquilando com os prazeres simples da existência. Eu sei, eu sei… É algo que vai além de nosso controle, são vícios internos quase inerentes, no entanto, deveríamos investir mais esforços em tentar miná-los de nossas vidas, porque as grandes preocupações, as coisas que realmente irão fazer com que você questione o lado bom da vida, virão de forma inesperada. Às três da tarde, você está sentado, bebendo seu café despretensiosamente, aguardando alguém importante na sala de espera e BUM; instantes depois todas as suas preocupações anteriores esvaíram e agora só resta uma: Como fazer para viver?

  Essa situação, que deixo em aberto para estimular a imaginação do leitor, poderia ser a representação de um incêndio na sala na qual você se encontrava, você receber um diagnóstico que coloca o resto de sua vida em jogo, ou, quem sabe o alguém importante poderia, em um momento de fúria e nervosismo, apontar uma arma para você e de repente você está ali, diante da morte, imóvel. Ou, com ainda mais probabilidade; você está sentado, termina seu café, sai na rua e é assaltado ou atropelado e tudo que antes preocupava você, agora tornou-se ínfimo.

  Tudo bem, você poderia argumentar comigo, dizer que estou sendo demasiadamente dramática, mas estaria fazendo isso com um pensamento comum por trás, aquele que nos diz que tais dramas são improváveis, aquele que nos dá uma pequena confiança de que determinadas coisas nunca acontecerão conosco. Fechamos os olhos, voltamos a nos preocupar com pequenas coisas, que se olharmos mais afundo notaremos o quão desimportantes são.

  Quando falo sobre preocupação, sempre lembro de um conselho chinês que trata basicamente de postergar a preocupação. Tendo em vista que postergamos tantas coisas atualmente, correndo sempre atrás do tempo que foge por entre os dedos a cada stories, poderia ser interessante pensarmos em postergarmos as coisas que não podemos mudar para outro momento. Preocuparei-me com tudo que não posso fazer nada a respeito amanhã, quando amanhã chegar mudarei de novo a rota. Quanto mal estar pouparíamos?

  Entretanto, insistimos em nos aniquilarmos constantemente, porque não depositamos esforços suficientes em nosso aperfeiçoamento. É certo que nenhuma conquista pessoal, no sentido de inteligência emocional, esclarecimento, auto-aperfeiçoamento vem de forma fácil, que bom seria se não precisássemos nos esforçar tanto para subir as escadas da vida, porém me parece que o tempo que você gasta pensando em tantas coisas contingentes, poderia ser muito bem usado para voltar seu olhar para você mesmo, menos para o exterior.

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Isadora Tabordes

Isadora Tabordes

Cofundadora e desenvolvedora do site Vida em Equilíbrio, estudante de Filosofia na Universidade Federal de Pelotas.

"Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Janelas do meu quarto, do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é...
E se soubessem quem é, o que saberiam? Fernando Pessoa