Sua dieta “saudável” pode estar matando seu cérebro silenciosamente

Eu recentemente me deparei com um livro que abriu meus olhos de muitas maneiras para a informação equivocada que atormenta os americanos em relação à alimentação saudável, particularmente no que se refere à saúde do cérebro.

O livro Dieta da Mente, do Dr. David Perlmutter, é de explodir o cérebro – sem trocadilhos – e perturbador em algumas crenças antigas sobre o que nosso corpo exige para uma saúde ideal.

“O cérebro prospera em uma dieta rica em gorduras e pobre em carboidratos, que infelizmente é relativamente incomum em populações humanas hoje”, diz ele.

Os carboidratos geralmente considerados saudáveis, até mesmo o arroz integral, pão 100% integral ou quinoa – protagonistas de muitas das cozinhas mais preocupadas com a saúde – causam distúrbios como demência, TDAH, dores de cabeça crônicas e Alzheimer durante uma vida inteira de consumo.

Removendo esses carboidratos da dieta – precursores da inflamação, a verdadeira fonte de problemas que atormentam nossos cérebros e corações – e aumentando a quantidade de gordura e colesterol que consumimos, podemos não apenas proteger nosso órgão mais valioso, mas também, potencialmente, desfazer anos de dano.

O colesterol, por exemplo, há muito difamado pela mídia e pela comunidade médica, na verdade promove a neurogênese (o nascimento de novas células cerebrais) e a comunicação entre os neurônios, na medida em que estudos mostraram que níveis mais altos de colesterol sérico estão correlacionados a uma capacidade cognitiva mais robusta.

O livro também faz sérias considerações a respeito do sistema cardiovascular, citando estudo após estudo para reafirmar que não é gordura e colesterol, mas carboidratos e certas gorduras – e não as gorduras que você pensa – que são os verdadeiros inimigos da saúde cardíaca e vascular.

Diretrizes para comer visando saúde e longevidade acima da média não são sem nuances, mas Dieta da Mente apresenta um roteiro fácil de entender, repleto de ciência recente, em um estilo de escrita coloquial, sem nunca duvidar da capacidade de seu público acompanhar.

Como o único médico no país que é tanto um neurologista certificado quanto um membro do Conselho Americano de Nutrição, ele habilmente cobre um tópico raramente discutido: Como o que comemos afeta a saúde do nosso cérebro.

E considerando que as mortes por Alzheimer aumentaram 68% entre 2000 e 2010, o momento para o livro Dieta da Mente não poderia ser melhor.

 Dieta da Mente

Depois de ler, eu mal podia esperar para me sentar com ele para uma sessão de perguntas e respostas. (As perguntas estão em negrito.)

Você afirmou que os carboidratos de qualquer tipo, de açúcares naturais nas frutas aos carboidratos complexos de quinoa e um bagel de trigo integral, são prejudiciais ao cérebro, a ponto de os distúrbios degenerativos cerebrais mais sérios, incluindo a doença de Alzheimer, estarem sendo referidos como “diabetes tipo 3”. Qual é a ciência por trás disso?

O consumo de carboidratos leva à elevação do açúcar no sangue, obviamente a curto prazo, mas também a longo prazo.

Persistentemente desafiar o pâncreas a secretar insulina para lidar com carboidratos na dieta, em última análise, leva à resistência à insulina, uma condição diretamente associada ao aumento do risco de demência.

O pior é que a resistência à insulina é a precursora do diabetes tipo 2, uma condição associada à duplicação do risco de Alzheimer.

Em um relatório recente no Journal of Alzheimer’s Disease, pesquisadores da Mayo Clinic mostraram que os indivíduos que favorecem os carboidratos em suas dietas tiveram um risco considerável de 89% de desenvolver demência em contraste com aqueles cujas dietas continham a maior quantidade de gordura.

Ter os maiores níveis de consumo de gordura foi realmente associado a uma incrível redução de 44% no risco de desenvolver demência.

Os chamados “carboidratos complexos” podem, na verdade, representar uma ameaça mais significativa à saúde do que o açúcar simples, pois podem não apenas aumentar o nível de açúcar no sangue, como também mantê-lo elevado por um período de tempo mais prolongado.

Os alimentos podem ser avaliados pelo seu índice glicêmico, que mede não apenas como o açúcar elevado no sangue será elevado pelo consumo de um determinado alimento, mas também leva em conta por quanto tempo ele terá esse efeito.

Portanto, quanto maior o índice glicêmico, mais prejudiciais são os efeitos do açúcar elevado no sangue. O pão integral, por exemplo, tem um índice glicêmico dramaticamente maior quando comparado ao açúcar de mesa puro.

Em última análise, os contínuos desafios de nossos corpos com alimentos com alto índice glicêmico levam à elevação do açúcar no sangue em jejum. Isso é de suma importância, conforme publicado recentemente no New England Journal of Medicine.

Neste relatório, os pesquisadores descobriram que o nível de açúcar no sangue em jejum, mesmo na faixa que a maioria dos médicos consideraria normal, níveis muito abaixo do que seria qualificado para o diagnóstico, está fortemente associado ao desenvolvimento de demência.

 Dieta da Mente

Em seu livro, você desafia alguns dos dogmas mais comumente aceitos em relação à nutrição, como por exemplo, que tanto a gordura saturada quanto o colesterol não são apenas benignos, mas também imperativos para a saúde do cérebro. Se alguém está sofrendo de disfunção cerebral, você recomendaria que eles consumam mais carne vermelha, ovos inteiros e óleo de coco como tratamento?

Duas formas de gordura que são de vital importância para a saúde do cérebro são colesterol e gordura saturada.

No estudo da Mayo Clinic mencionado acima, verificou-se que os indivíduos que consomem mais gordura saturada apresentaram uma redução de 36% no risco de desenvolver demência.

E isso vem junto com dados indicando que o consumo de gordura saturada não tem absolutamente nenhuma relevância na área de risco cardiovascular, como recentemente descrito pelo Dr. Glen Lawrence na revista Advances in Nutrition.

A gordura saturada é um bloco de construção fundamental para as células cerebrais. Com certeza é interessante considerar que uma das fontes mais ricas de gordura saturada na natureza é o leite materno humano.

Da mesma forma, o colesterol é vital para um cérebro em bom funcionamento. O colesterol funciona como um antioxidante protetor cerebral. É a matéria-prima da qual nossos corpos produzem vitamina D, uma peça fundamental na preservação da função cerebral.

Além disso, o colesterol é o precursor dos hormônios sexuais estrogênio, progesterona e testosterona – todos contribuem para o funcionamento saudável do cérebro.

Enquanto o cérebro constitui cerca de 2-3% do nosso peso corporal total, impressionantes 25% do colesterol do corpo é encontrado no cérebro.

Então, quando a FDA (Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA) começou a exigir avisos ao consumidor sobre certos medicamentos para baixar o colesterol relacionados ao declínio da memória e outros problemas cognitivos, não foi surpresa.

Na verdade, já foi mostrado que, nos idosos, aquelas pessoas cujos níveis de colesterol são mais altos podem ter até 70% de redução do risco de demência.

Então, sim, eu sou absolutamente um defensor da carne bovina de animais alimentados com capim, ovos de galinhas criadas em pasto e o óleo de coco está no topo da minha lista.

Ter essas gorduras que sustentam o cérebro de volta nos pratos, enquanto reduz substancialmente os carboidratos, abre o caminho para a preservação do cérebro, o aumento da função e a redução do risco da doença de Alzheimer – uma doença para a qual não há tratamento algum.

Li muitos relatos sobre estatinas, medicamentos comumente prescritos para reduzir o colesterol, como o Lipitor – faturando US$ 35 bilhões em vendas em 2010 pelas empresas farmacêuticas – produzindo efeitos semelhantes aos da demência em pacientes, o que parece ser um terrível efeito colateral. Por que o público não se importou tanto com isso?

A demonização generalizada do colesterol tem sido incrivelmente rentável, como você bem salientou. Minha missão é oferecer o outro lado deste debate para o público, para que o consumidor tome cuidado.

 Dieta da Mente

Você faz referência a muitos estudos que questionam a sabedoria convencional sobre a saúde do coração, o mais interessante é que pessoas com colesterol alto e baixo têm ataques cardíacos e morrem com a mesma frequência. Um diagnóstico de “colesterol alto” deve ser alarmante? Há algum caso em que deva ser controlado por medicamento ou dieta?

Ao longo da última década, vimos a uma mudança de cenário em termos de refinamento dos medidores de colesterol, na medida em que se relacionam com o risco cardiovascular.

Considerando que o colesterol em si foi o primeiro alvo, a ênfase logo foi transferida para o LDL, pois recebeu o nome de “colesterol ruim”, apesar do fato de que o papel do LDL é fornecer colesterol vital para todas as células do nosso corpo.

Digamos que qualquer equipe de marketing que tenha anexado o sobrenome “ruim” ao LDL deve ter sido bem recompensada!

Vimos então a ênfase na importância do chamado “tamanho de partícula” como um importante medidor de risco cardiovascular – e, com razão, o tamanho realmente importa.

Agora, o foco de atenção voltou ao LDL, reconhecendo que ele realmente representa um fator de risco potente quando se torna oxidado. A oxidação representa o dano que pode ocorrer às proteínas pela ação de substâncias químicas chamadas radicais livres.

Assim, a medição do LDL oxidado está aparecendo em painéis sanguíneos abrangentes de doenças cardíacas, e com boas razões. A ciência aqui é que o LDL é oxidado quando ligado ao açúcar, um processo chamado glicação.

E esse processo está diretamente relacionado ao açúcar no sangue em jejum e, portanto, se relaciona com a escolha de uma pessoa de consumir carboidratos – ou não.

Ao medir o colesterol em si, eu não defino nenhum limite em termos de responsabilidade cardíaca.

Um relatório recente correlacionou a ingestão mais alta de ômega 3 de óleos de peixe – que sabemos através do Dieta da Mente que é muito saudável e protege o cérebro – com uma incidência maior de câncer de próstata. Eu sempre acreditei que quanto mais ômega 3 você consome, melhor (minimizando o ômega 6, seu primo pró-inflamatório). Qual sua opinião sobre o estudo?

O estudo não teve nada a ver com a ingestão de óleos de peixe ou qualquer suplemento. E, no entanto, os marqueteiros gostariam que você acreditasse que este relatório lidava com pessoas que tomavam suplementos em comparação com aqueles que não tomavam.

O que o estudo mostrou foi que aqueles homens cuja medição única do ômega-3 DHA foi maior do que outros tinham um risco minimamente aumentado para o desenvolvimento de câncer de próstata.

A explicação que o público não recebeu foi que, como a maioria dos homens obtém seu DHA do consumo de peixe em vez da suplementação, e que a grande maioria dos peixes consumidos é cultivada, comer peixe cultivado representa um risco para o desenvolvimento de câncer de próstata.

E isso certamente não é surpresa.

Minha avó tem 96 anos e nunca ouviu falar em glúten. Por causa da histeria aparentemente repentina que cerca essa proteína de grãos, alguns a descrevem como uma moda passageira. Como você refuta isso?

Ao escrever Dieta da Mente, eu analisei mais de 250 referências revisadas por especialistas, muitas das quais abordam especificamente esse problema e são discutidas em detalhes.

Ausência de glúten não é novidade ou uma moda passageira. É a dieta que os seres humanos consumiram por mais de 99,9% da nossa existência neste planeta.

Eu agradeço a histeria, pois está direcionando a atenção para uma questão absolutamente fundamental em nossa nutrição moderna.

Se alguém não está sofrendo de doença celíaca e geralmente se sente bem depois de consumir pão – até mesmo pão 100% integral – como você os convence de que o trigo é tão prejudicial quanto você afirma no livro?

Eu devo me submeter à literatura mais respeitada e revisada por especialistas, que agora indica que o consumo de glúten leva à amplificação de uma proteína específica chamada zonulina, que aumenta a permeabilidade tanto da barreira do intestino quanto da hematoencefálica, conforme descrito pelo Dr. Fasano.

A permeabilidade do intestino ativa a inflamação e a inflamação é o pilar de alguns dos distúrbios cerebrais mais perniciosos, incluindo a doença de Alzheimer, a esclerose múltipla e a doença de Parkinson.

O que é tão atraente sob uma luz muito positiva, é que isso ocorre em todos os seres humanos e pode ser a chave para um grande número de doenças humanas, incluindo um grande número de outros distúrbios inflamatórios, bem como doenças autoimunes e até mesmo câncer.

Além disso, a questão do glúten de lado, pão integral tem um índice glicêmico incrivelmente alto e isso representa uma ameaça igualmente poderosa para a saúde do cérebro.

Como é sua dieta diária? O que há atualmente na sua geladeira?

Eu realmente amo comer e manter a dieta descrita no Dieta da Mente.

Eu geralmente começo meu dia com uma omelete de três ovos, feita com couve ou espinafre e coberta com azeite de oliva. Eu bebo uma xícara de café no café da manhã, junto com água.

No almoço eu posso comer legumes no vapor, salmão, uma salada verde e um chá gelado. E, no jantar, volto com os vegetais sozinhos ou junto com peixes selvagens ou carne bovina de animais alimentados com capim.

Eu bebo uma ou duas taças de vinho por semana, mas, estatisticamente, devo beber mais. Esse é um trabalho em andamento.

Quanto à sua segunda pergunta, não há muita coisa na minha geladeira em casa, pois tentamos manter a comida a mais fresca possível e, enquanto escrevo, minha esposa e eu viajamos.

Fonte: Awebic

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Vida em Equilíbrio

Vida em Equilíbrio

Para viver bem, é necessário ter a saúde corporal e mental em equilíbrio. Nossa intenção é proporcionar todo o conteúdo que irá lhe ajudar a ter uma vida mais saudável.