4 duras verdades que farão de você uma pessoa melhor

Por que, sempre que alguém diz “enfrente os fatos”, você sabe que está prestes a ouvir algo que não quer ouvir? Provavelmente por causa de um segundo clichê:

“A verdade dói.”

Ninguém recomenda negação – mas também ninguém recomenda a procrastinação. E todos somos propensos a ambos. A negação é procrastinação existencial.

Mas os problemas não são assustadores quando sabemos que existem soluções.

É muito mais fácil enfrentar as duras verdades quando sabemos que há um mapa e que sairemos do outro lado mais forte.

Então, vamos olhar para algumas realidades difíceis e aprender como podemos alavancar a pesquisa para transformar o que parece ser um poço de desespero em um trampolim que nos levará a alturas maiores.

Parece legal? Legal.

Vamos lá…

Adivinha? Você vai morrer.

 Duras verdades que farão de você uma pessoa melhor

Alegre, certo? Você vai morrer. Todos nós sabemos disso, mas com certeza não vivemos como se soubéssemos.

Nós agimos como se sempre houvesse outro dia, outro ano, e então nos perguntamos para onde foi o tempo. Porque pensar na morte é assustador.

Mas muitos grandes pensadores, incluindo os estoicos (e até mesmo os samurais), acreditavam firmemente que vivemos vidas melhores quando ficamos cientes da morte.

E a ciência também concorda:

Pensar na morte pode realmente ser uma coisa boa. Uma consciência da mortalidade pode melhorar a saúde física e nos ajudar a priorizar novamente nossos objetivos e valores, de acordo com uma nova análise de estudos científicos recentes.

Enfrente os fatos (aqui está essa expressão novamente) – quanto você consegue produzir sem um prazo final? Bem, nós temos um. A data é um pouco confusa, mas, tenha certeza, existe uma.

Se nós não tivéssemos a morte, todos nós estaríamos procrastinando assim: “Eu vou chegar ao próximo século”.

Você tem cerca de 30.000 dias e pronto. E você já usou uma boa parte deles. A morte coloca a vida em foco.

Mas nós ignoramos a morte, então perdemos a noção do que é importante. Das prioridades. Da grande perspectiva. Do que é significativo.

Nós até perdemos a noção do que é divertido. Amigos não são vistos e dias de férias não são usados.

Nós não reconhecemos que há um fim e, portanto, não priorizamos e perdemos tempo – e nem mesmo de formas verdadeiramente agradáveis.

Bem, acho que isso é mais assustador que a morte.

Quando Karl Pillemer, da Universidade de Cornell, estudou 1.200 pessoas entre 70 e 100 anos, qual foi a principal lição que os mais velhos queriam transmitir a todos nós preguiçosos?

Eu diria que a lição número um, endossada por quase todas essas 1.200 pessoas, e uma em que as pessoas tendem a ser bastante veementes, é “A vida é curta”. …eles querem atingir essa consciência nos jovens, não os deprimir, mas incentivá-los a fazer melhores escolhas. No campo da gerontologia, existe toda uma teoria chamada “teoria da seletividade socioemocional”. O que eles argumentam é que a única coisa que torna as pessoas diferentes aos 70 anos ou mais, das pessoas mais jovens, em termos de desenvolvimento, é um senso de horizonte de tempo limitado. Você se torna realmente consciente de que seus dias estão contados. Em vez de ser tão deprimente, as pessoas começam a fazer melhores escolhas.

Quando estamos cientes da quantidade, melhoramos a qualidade.

Agora, o filósofo estoico Sêneca não achava que a vida era curta – mas chegou a uma conclusão que ainda diz o que Karl descobriu:

Não é que tenhamos muito pouco tempo para viver, mas desperdiçamos grande parte dele. A vida é longa o suficiente, e é dada em medida suficiente para fazer grandes coisas se a gastarmos bem. Mas quando ela é derramada pelo ralo de luxo e negligência, quando é empregada sem um bom fim, finalmente somos levados a ver que ela passou antes mesmo de reconhecê-la passando. E assim é – nós não recebemos uma vida curta, nós fazemos dela uma vida curta.

Então o que deveríamos fazer? Viva um mês como se fosse o último. É o que a pesquisadora da felicidade, Sonja Lyubomirsky, acha que pode ser a solução.

Não imagine que você tenha um câncer terminal – imagine que você vai se afastar do seu trabalho, dos seus amigos, da sua família, da sua vida como você a conhece agora.

Quando um fim está à vista, apreciamos mais as coisas:

Pesquisas anteriores indicam que este exercício deve nos levar a apreciar de maneira profunda o que estamos preparando para desistir. Quando acreditamos que estamos vendo (ou ouvindo, fazendo ou experimentando) coisas pela última vez, vamos ver (ou ouvir, fazer ou experimentar) como se fosse a primeira vez.

Longe de ser doloroso, saber que há um fim torna a vida mais rica.

Tudo bem, caro mortal, estamos fazendo as coisas certas porque não temos tempo ilimitado.

Mas que dura verdade precisamos enfrentar sobre as coisas e o tempo?

Qualquer coisa que valha a pena levará mais trabalho do que você pensa

 Duras verdades que farão de você uma pessoa melhor

Todos nós já ouvimos um zilhão de vezes: leva 10.000 horas para ser um especialista em alguma coisa. Mas isso é incorreto.

Na verdade, é pior…

São necessárias 10.000 horas de “prática deliberada” para se tornar um especialista. Você passou 10.000 horas dirigindo e não está pronto para a NASCAR.

“Prática deliberada” significa que você precisa gastar 10.000 horas se concentrando em suas fraquezas e se esforçando ao máximo para melhorá-las.

Isso é difícil. Muito difícil.

Tudo bem, mas talvez você não queira pintar a próxima Guernica ou iniciar o próximo Google. Não importa. Você ainda vai enfrentar desafios que exigem muito tempo e esforço.

Qual é a coisa que todo mundo diz? “Casamento dá trabalho.” E filhos? Como qualquer pai diria – uau, muito trabalho.

Quando olhamos para os grandes em quase todos os campos, descobrimos que eles encararam essa dura verdade de frente. A maioria era trabalhador compulsivo, sem remorso.

Deprimente, não é? Para realmente atingir a excelência – em sua carreira, como parceiro, como pai – parece que você tem que ser um workaholic. Então você vai ficar estressado, miserável e morrer jovem…

Na verdade, não.

Pelo menos não se você fizer certo. Não se você é apaixonado e envolvido. Ser apaixonado por algo torna a vida mais rica até o fim:

Idosos que eram harmoniosamente apaixonados pontuaram mais em vários indicadores de ajustamento psicológico, como a satisfação com a vida, o sentido da vida e a vitalidade, enquanto relataram níveis mais baixos de indicadores negativos de ajustamento psicológico, como ansiedade e depressão.

E se você abraçar os desafios, você tampouco morrerá jovem.

The Terman Study, um projeto de pesquisa de oito décadas que acompanhou quase 1.500 pessoas desde a infância até a morte, descobriu que as pessoas que trabalhavam mais, viviam por mais tempo.

Sendo descontraído e não realizando muito? Ah, isso vai te matar:

Aqueles que foram os mais bem-sucedidos foram os menos propensos a morrer em qualquer idade. A ambição não era um problema e ter calma não era saudável. Na verdade, aqueles homens que eram despreocupados, pouco confiáveis e pouco ambiciosos na infância e que tinham muito sucesso em suas carreiras tiveram um enorme aumento no risco de mortalidade.

Reconhecidamente, a dificuldade não leva a uma vida feliz a curto prazo – mas leva a uma vida significativa a longo prazo:

Considerando a vida, uma dificuldade foi negativamente correlacionada com a felicidade, mas abordou uma relação positiva significativa com significância…. Pessoas com vidas muito significativas se preocupam mais e têm mais estresse do que pessoas com vidas menos significativas. Mais uma vez, pensamos que isso indica que a preocupação vem do envolvimento e engajamento com atividades importantes…

Mas e se você não tiver sido abençoado com inspiração divina e não tenha “encontrado sua paixão”?

Bem, o professor Cal Newport diz que toda essa perspectiva é bobagem. Para a grande maioria das pessoas, você não “encontra” ou “segue” sua paixão – você a constrói:

Se você estuda pessoas que acabam amando o que elas fazem, aqui está o que você encontra e se você estudar a pesquisa sobre isso, você encontrará a mesma coisa: satisfação profissional a longo prazo exige traços como um senso real de autonomia, um senso real de impacto sobre o mundo, um senso de domínio de que você é bom no que faz e um senso de conexão em relação a outras pessoas. Agora, o ponto-chave é que esses traços não correspondem a um trabalho específico e não têm nada a ver com a correspondência de seu trabalho com algum tipo de paixão enraizada e preexistente.

Você vai gastar muito tempo e esforço em algo na vida.

Você pode se ressentir e apenas sobreviver – ou você pode se comprometer com isso, construí-la, mergulhar de cabeça – e colher grandes recompensas.

Não tolere suas dificuldades; aceite-as. Direcione para um objetivo e forje o significado delas.

Faz sentido, certo? Mas alguns dirão que eu evitei essa questão da felicidade. Nós todos queremos ser felizes. E agora a felicidade é mercurial e fugaz, aparecendo quando ela quer.

Como podemos conseguir ficar por perto para sempre? É o que todos nós queremos, certo? Alcançar a felicidade absoluta e ficar lá.

E isso nos leva à dura verdade número três…

Você nunca será perfeitamente feliz

 Duras verdades que farão de você uma pessoa melhor

Ei, o título diz “duras verdades” e você leu de qualquer maneira. Nada de choramingos. Nós superamos os outros e vamos superar este.

Fique comigo…

Estamos sempre focados nessa bala mágica. Se eu ganhar dinheiro, ficarei perfeitamente feliz para sempre…. Se eu apenas conhecer minha alma gêmea…. Se eu apenas conseguir essa promoção…. Se eu apenas, se eu apenas, se eu apenas.

Desculpe, não. Resposta errada. Sempre haverá desconforto e preocupações. Por quê?

Muito simples, seu cérebro não está preparado para a felicidade perpétua. Na verdade, foi feito para ser contra isso. Aqui está o notável autor de ciência Robert Wright:

A seleção natural não nos “quer” felizes, afinal; apenas “quer” que sejamos produtivos, em seu sentido estrito de produtivo. E o caminho para nos tornar produtivos é tornar a antecipação do prazer muito forte, mas o prazer em si não muito duradouro.

Mas só porque você nunca alcançará a felicidade definitiva e perpétua, não significa que a vida é horrível.

O Grant Study é outro desses estudos que acompanharam as pessoas ao longo de toda a sua vida.

Os sujeitos que foram os mais bem-sucedidos e felizes não conseguiram porque “eles estavam felizes todos os dias”. Eles estavam no topo da montanha por causa de suas habilidades de enfrentamento – sua capacidade de lidar com os inevitáveis problemas que a vida lhes lançava:

Os homens que exibiam “defesas maduras”, relatou Vaillant em 1977, estavam mais felizes, mais satisfeitos com suas carreiras e casamentos, e “estavam muito melhor preparados para trabalhar e amar” do que seus pares que possuíam adaptações menos maduras. Eles obtiveram melhores rendimentos, se engajaram em mais serviços públicos, tiveram amizades mais recompensadoras, sofreram menos problemas em termos de saúde física e mental e ficaram ainda mais confortáveis em serem agressivos com os outros, comparados a homens com habilidades de enfrentamento menos maduras.

Insistir que a vida deve ser uma felicidade ininterrupta é o caminho mais seguro para ficar infeliz.

Trabalhe para os bons momentos. Aceite que haverá momentos ruins. Então vá fazer mais bons momentos.

Tudo bem, esperar sempre se sentir bem ou que um evento mágico resolva todos os seus problemas é irrealista. Pelo menos você pode confiar em outras pessoas para ajudá-lo nos momentos difíceis.

Bem, mais ou menos…

As pessoas vão deixar você para baixo

 Duras verdades que farão de você uma pessoa melhor

Eu disse que elas são duras, certo? Nós discutimos o ruim, então chegamos ao bom. Você conhece o padrão agora. Sossegue. Credo.

Onde eu estava? “Traição por aqueles que você mais gosta.” Sim, é isso. Tudo bem…

A maioria dos segredos que você disse para seu melhor amigo nunca, nunca, nunca dizer a ninguém foi tagarelado para outra pessoa. (Desculpa.)

E se você realmente quiser ter certeza de que eles não guardarão um segredo, não se esqueça de dizer: “Mantenha isso entre você e eu”. Porque isso torna as pessoas mais propensas a espalhar a notícia:

…em um estudo, 60% das pessoas confessaram compartilhar até mesmo os segredos de seus melhores amigos com terceiros. Outro estudo descobriu que um quarto das pessoas compartilhava informações sociais “confidenciais” a elas confiadas com pelo menos três outras pessoas. Na verdade, há até alguns dados para sugerir que simplesmente prefaciar seu compartilhamento secreto com um pedido de confidencialidade (como “por favor, mantenha isso em segredo” ou “apenas entre você e eu”) pode realmente tornar seu confidente mais propenso a trair sua confiança, porque você está essencialmente sinalizando a informação vinda como sendo estratégica e digna de fofoca, como conhecimento social de alto valor.

Então, obviamente, a resposta apropriada é não confiar em ninguém e manter todos os humanos a distância, nunca se aproximando ou confiando em ninguém…

Ruim. Errado. Incorreto.

Sim, você vai se ferrar de vez em quando. Bem-vindo à Terra. Mas a longo prazo nos adiantamos quando confiamos mais, não menos. E não estamos falando de pequenos segredos aqui.

Na verdade, estamos falando de coisas grandes, como dinheiro:

A renda é maior entre aqueles que confiam mais nas pessoas, não menos. Em um estudo intitulado “A quantia certa de confiança”, as pessoas foram questionadas sobre o quanto confiavam em outras pessoas em uma escala de um a dez. A renda foi maior entre aqueles que responderam com o número oito… Quem mais sofreu? Aqueles com os níveis mais baixos de confiança tiveram uma renda 14,5% menor do que os que tiveram nota oito. Essa perda é o equivalente a não frequentar a faculdade.

Então, a confiança te traz mais dinheiro. O que você deve fazer com o saque extra? Mais uma vez, a resposta são as pessoas.

A pesquisa de Michael Norton em Harvard mostra que somos mais felizes quando gastamos dinheiro com os outros em vez de em nós mesmos.

As pessoas vão nos desapontar. Isso é a vida. Isso é real. Mas, apesar disso, ainda fazemos melhor a longo prazo quando confiamos e perdoamos os outros.

Relacionamentos são o preditor número um de uma vida feliz. Sem confiança você não pode ser feliz.

Grant Study concluiu que “a capacidade de amar e ser amado era a força isolada mais claramente associada ao bem-estar subjetivo aos oitenta anos”.

Então, como podemos gerenciar isso? Não podemos evitar a decepção ocasional. Isso é impossível.

O principal pesquisador de relacionamentos, John Gottman, diz que tudo se resume a proporções. Por exemplo, cinco interações positivas para cada negativo é o que leva a um casamento feliz.

Você espera que as pessoas sejam perfeitas? Você é perfeito? Não. E se alguém parece perfeito, ficamos desconfiados.

Gottman também descobriu isso: 13 positivos para cada negativo faz com que as pessoas percam credibilidade. Quando alguém é tão positivo, achamos que algo é suspeito.

“Perfeição”, ao que parece, não é perfeito e “bom” é bom o suficiente.

Vamos resumir tudo – e aprender o maior bem que pode vir da maior dor…

Resumo

Estas são quatro duras verdades que farão de você uma pessoa melhor:

  1. Você vai morrer: você tem um prazo. Literalmente. Então, concentre-se no que importa. E certifique-se de celebrar os bons momentos. Eu prefiro ter uma vida mais curta do que uma longa e ruim.
  2. Qualquer coisa que valha a pena requer mais trabalho do que você pensa: sempre fica de bobeira o domingo inteiro, não se divertindo e não realizando alguma coisa? E então você diz: “O que diabos eu fiz o dia todo?” Bem, você não quer dizer isso sobre sua vida. Aceite os desafios e encontre significado.
  3. Você nunca será perfeitamente feliz: e você não precisa ser. Insistir na felicidade completa é o caminho mais seguro para ficar infeliz. Seja grato pelo que você tem e gentilmente alcance um pouco mais.
  4. As pessoas vão te decepcionar: você pode insistir que outros sejam perfeitos no dia em que você se tornar perfeito. Que será nunca. As pessoas vão lhe causar problemas – mas também são a maior fonte de felicidade. Cinco para um é muito bom.

A vida é um desafio. Viver em negação significa apenas que você será surpreendido com mais frequência. Você não precisa se enganar de que o mundo é perfeito para ser muito feliz.

Nós ouvimos muito sobre o transtorno de estresse pós-traumático. O que não ouvimos com frequência é o “crescimento pós-traumático”.

Sim, algumas pessoas (muito poucas pessoas, na verdade) sentem uma dor que as segue por um longo tempo. Mas geralmente Nietzsche estava certo.

Como descobriu o especialista em felicidade da Universidade da Pensilvânia, Martin Seligman, o que não te mata o torna mais forte:

Um número substancial de pessoas também mostra intensa depressão e ansiedade após extrema adversidade, muitas vezes ao nível de estresse pós-traumático, mas depois elas crescem. No longo prazo, elas chegam a um nível mais alto de funcionamento psicológico do que antes…. Em um mês, 1.700 pessoas relataram pelo menos um desses terríveis eventos, e também fizeram nossos testes de bem-estar. Para nossa surpresa, os indivíduos que sofreram um evento horrível tinham forças mais intensas (e, portanto, maior bem-estar) do que indivíduos que não tinham nenhum. Indivíduos que passaram por dois terríveis eventos foram mais fortes do que indivíduos que tiveram um, e indivíduos que tiveram três – estuprados, torturados e mantidos em cativeiro, por exemplo – eram mais fortes do que aqueles que tinham dois.

Evitar perpetua a dor. Não podemos consertar a dureza que não enfrentamos. Mas quando abordamos as questões, crescemos e vivemos vidas melhores.

Maya Angelou colocou melhor: “Minha missão na vida não é meramente sobreviver, mas prosperar; e fazer isso com alguma paixão, alguma compaixão, algum humor e algum estilo”.

Fonte: Awebic

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Avatar

William Candaten

Gaúcho de apartamento, graduado em Educação Física e estudante de Nutrição, aficionado por ciências humanas e biológicas. Curioso e preguiçoso, pesquisa tudo que ouve e não sabe, exceto se for cair na prova.