Como se exercitar quando esta é a última coisa que você quer fazer

A prática de exercícios físicos é essencial para manter o seu bom estado geral de saúde.

Muitos associam a prática de exercícios físicos apenas com as calorias, com massa muscular e com a gordura, mas a verdade é que há muito mais coisas acontecendo no seu corpo.

No entanto, muitas pessoas ainda encontram inúmeros empecilhos para não começar e/ou dar continuidade a alguma atividade física.

Se você é um delas, que tal uma ajudinha da psicologia, economia comportamental, negócios – e até mesmo ativismo – para fazer você se mexer?

Como se exercitar quando esta é a última coisa que você quer fazer

Confira:

Desculpa #1: “Eu não tenho tempo para me exercitar.”

A cura: você tem muito tempo; o truque é ser intencional sobre como você o usa.

Existem 168 horas em uma semana.

Mesmo depois que você subtrai 56 horas para dormir e 50 para o trabalho, você fica com 62 horas, como a escritora de negócios Laura Vanderkam aponta em sua TED Talk.

Sua conclusão fortalecedora: “Temos o poder de preencher nossas vidas com as coisas que merecem estar lá.”

Se você realmente quer começar a malhar, você deve colocar isso no alto da sua lista mental de tarefas.

Então, você precisa colocar em sua agenda física, planejando sua semana antes dela chegar, ela diz: “Eu acho que um bom momento para fazer isso é sexta-feira à tarde.”

Ao inserir compromissos de treino em seu calendário para a próxima semana – para maior incentivo, envie um convite a um amigo – você evitará a temida síndrome de domingo à noite, conhecida como para onde foi a m*&[email protected] do meu tempo.

Desculpa #2: “Estou tão confortável em casa agora; vou começar a me exercitar na próxima semana.”

A cura: coloque-se no futuro.

Quando se trata de tentação, nós, seres humanos, estamos engajados em uma luta justa entre o nosso eu presente e o nosso eu futuro.

Nosso eu futuro sabe que é do nosso interesse fazer exercícios, mas “é uma batalha desigual” entre os dois eus, diz o economista comportamental da Microsoft Research, Dan Goldstein.

“O eu presente está presente. Está no controle. Tem esses braços fortes e heroicos que podem levar donuts até sua boca. O eu futuro nem sequer está por perto e, assim, o eu presente pode trucidar todos os seus sonhos”.

Como vencer aquele eu presente que come donuts? Envolva-se em viagens mentais no tempo.

Enquanto Goldstein cria um software que ajuda as pessoas a imaginar sua vida futura em diferentes cenários, você pode tentar sua própria versão.

Se imagine em 20 ou 30 anos, se você não começar a se exercitar. Você está com dificuldades para pagar enormes contas médicas? Correndo atrás de seus netos sem fôlego?

Agora, imagine como sua vida poderia ser se você entrar em forma.

Desculpa #3: “Eu prefiro ouvir música / assistir Netflix / ler notícias do que ir malhar.”

A cura: você pode fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

Charles Dickens publicou todos os seus romances como seriados, lançando um capítulo de cada vez, primeiro em revistas e depois em panfletos autônomos.

Dizia-se que a demanda se tornava tão grande que seus leitores se reuniram no cais para esperar os navios com a próxima parcela, para que pudessem descobrir o que havia acontecido.

Você poderia fazer essa necessidade de saber agora trabalhar para você? Sim, segundo a cientista comportamental da Wharton School of Business, Katherine Milkman.

Para um experimento, ela recrutou participantes que queriam se exercitar mais.

Metade dos indivíduos foram aleatoriamente designados para um grupo que tinha iPods carregados com audiobooks (como O Código Da Vinci ou Jogos Vorazes) que eles só podiam ouvir na academia; a outra metade recebeu um vale-compras igualmente valioso para uma livraria.

O resultado: o grupo de audiobooks se exercitou significativamente mais.

Faça uma regra que você pode consumir suas histórias favoritas (Netflix / romance / podcast / notícias) apenas durante o exercício.

O “empacotamento da tentação” é o que Milkman chama de emparelhamento de uma atividade prazerosa com um hábito desejado; nós chamamos isso de inspirado.

Desculpa #4: “Eu me sinto fora de forma, e tenho vergonha de ir à academia com todos aqueles fanáticos por exercícios olhando para mim.”

A cura: as pessoas vão julgar, mas você não precisa ser uma delas.

Nossa sociedade é preconceituosa em relação ao peso, diz ativista e artista Kelli Jean Drinkwater.

“Vivemos em uma cultura onde ser gordo é visto como uma pessoa má – preguiçoso, ganancioso, não saudável, irresponsável e moralmente suspeito. E tendemos a ver a magreza como sendo universalmente boa”.

Drinkwater nos convida a examinar essas atitudes, nos outros e em nós mesmos.

Ela pergunta: “Nós realmente queremos viver em uma sociedade onde as pessoas são negadas a sua humanidade básica se não subscreverem alguma forma arbitrária de aceitação?”

Em vez de ver o exercício como uma maneira de nos punir por não sermos “perfeitos”, pode ser uma maneira de cuidarmos de nossos corpos.

Como Drinkwater diz, “se assumir pode ser um dos mais belos atos de amor-próprio e pode ser um milhão de coisas diferentes, desde penteados a tatuagens, passando por contorno corporal, hormônios, até cirurgia e, até mesmo, perda de peso.”

Desculpa #5: “Quando penso em malhar, me imagino ofegante, com o rosto vermelho e com dor, por isso acho outra coisa para fazer.”

A cura: pegue uma dica dos melhores atletas e imagine um cenário diferente.

Você vai ver frequentemente os atletas olímpicos franzirem o rosto antes de competir. A maioria deles não se preocupa com o evento (mesmo que seja o que parece que eles estão fazendo).

Eles estão envolvidos em imagens – visualizando o que está por vir. “As imagens são um ensaio mental”, diz o psicólogo esportivo Martin Hagger, da Curtin University.

Ele compara a assistir a um vídeo mental de uma performance que ainda não aconteceu.

Hagger fala sobre a campeã croata de salto em altura Blanka Vlašić, dizendo:

“Ela era muito famosa por passar pela mesma rotina antes de uma competição. Ela fechava os olhos, visualizava um salto de sucesso, batia palmas ritmicamente. Isso aumentava tanto sua motivação quanto sua confiança.”

Mesmo que você não esteja fazendo um salto alto – graças a Deus – você pode usar o mesmo truque.

Depois que você estiver em seu equipamento de treino, mas antes de fazer um movimento, feche os olhos e visualize o mais vívido possível o que está prestes a fazer.

Por exemplo, se você está indo correr, por quais pontos de referência você vai passar? Quais obstáculos (motociclistas, tráfego) irão surgir? Se imagine navegando em torno deles.

Em que ponto você vai se virar? Onde você terminará sua corrida? Tente ver cada passo como se estivesse assistindo a si mesmo. OK? Então dê um último suspiro, abra os olhos e vá.

Fonte: Awebic

Comentários

Comentários

Sobre o autor

William Candaten

Gaúcho de apartamento, graduado em Educação Física e estudante de Nutrição, aficionado por ciências humanas e biológicas. Curioso e preguiçoso, pesquisa tudo que ouve e não sabe, exceto se for cair na prova.