Três coisas que aprendi ao ensinar felicidade para os outros

Desde 2014, tenho sido construtora do curso on-line aberto e gratuito do Greater Good Science Center, chamado GG101x: The Science of Happiness (A ciência da felicidade).

Para nossa surpresa, mais de 450.000 pessoas de todo o mundo se inscreveram desde que começamos.

Ele é consistentemente classificado entre os dez melhores cursos no edX.

Também falo sobre a ciência da felicidade para públicos de negócios, saúde, academia, governo e outros setores em todo o mundo.

Todos querem saber como usar a pesquisa científica para orientar seu direito inalienável de buscar a felicidade: a deles mesmos e a das comunidades em que vivem e trabalham.

Embora nem o campo como um todo nem o nosso curso possam fornecer todas as respostas, recorri ao feedback de alunos, grupos de discussão do GG101x, perguntas e respostas durante minhas palestras e mais para destilar as três realizações sobre a felicidade que tendem a ser as mais comoventes, motivadoras e surpreendentes para as pessoas.

1. A maioria de nós entende a felicidade de maneira errada

Sobre a felicidade

A felicidade não é uma ideia nova, nem a pessoa média tem dificuldade para explicar o que ela significa.

Mesmo na pesquisa, uma medida padrão de felicidade pressupõe que as pessoas tenham um senso intuitivo dela e possam se colocar com exatidão e confiabilidade em uma escala de “não é uma pessoa muito feliz” a “uma pessoa muito feliz”.

Saber o que é felicidade, no entanto, não torna a pessoa média boa em buscá-la.

O primeiro erro que as pessoas cometem é igualar a felicidade, a qualidade de vida abrangente, com o prazer temporário que sentimos em resposta a algo prazeroso.

Por que isso é um problema? Bem, se a felicidade é equivalente ao prazer momentâneo, então a conclusão lógica é que a felicidade emergirá da junção de uma sequência perpétua de momentos agradáveis.

Como um dos meus antigos colegas de faculdade aconselhou um amigo: “tudo o que importa na vida é sexo e dinheiro”.

Errado.

A felicidade não surgirá de se esforçar para acumular coisas cada vez mais agradáveis e luxuosas, ou de se esforçar constantemente para sentir e transmitir alegria e entusiasmo borbulhante (para “ser positivo”).

A pesquisa da professora da Universidade da Carolina do Norte, Barbara Fredrickson, sugere que experiências emocionais positivas contribuem de maneira importante para a felicidade geral.

Mas as pessoas que colocam todo o seu esforço e recursos para maximizar o prazer, geralmente o fazem às custas de socializar ou ajudar os outros e acabam sendo menos felizes.

Da mesma forma, tentar se sentir bem o tempo todo, de acordo com o trabalho dos professores Iris Mauss e June Gruber, na verdade atrapalha a felicidade.

Quando se trata de sentimentos e felicidade, o truque parece ser:

1) experimentar o prazer nos momentos certos – por exemplo, rir quando a piada é engraçada, saborear a deliciosa comida, aproveitar o calor do afeto e aproveitar esses sentimentos para que eles durem;

2) reconhecer e expressar sentimentos que surgem em circunstâncias mais difíceis, como raiva, tristeza e medo, enquanto eles sinalizam informações importantes sobre o que fazer em seguida; e então

3) praticar a resiliência, para que possamos nos recuperar desses estados graciosamente e aprender com eles.

2. A plenitude é a chave

Sobre a felicidade

Nos últimos 30 anos, vimos uma investigação científica em rápida expansão sobre a plenitude, definida como um exercício deliberado (meditação) ou de uma maneira mais geral que envolve assistir ao momento presente com bondade, gentileza e compaixão.

Basicamente, onde quer que os pesquisadores olhem, a plenitude (se não for levada a extremos ou aplicada a circunstâncias extremas) é benéfica.

Do ponto de vista da felicidade, a plenitude pode ser considerada tanto uma plataforma de lançamento como um catalisador.

Como plataforma de lançamento, a plenitude oferece às pessoas uma técnica para perceber seus hábitos existentes de pensar e sentir, e explorar se alguma de suas crenças, preconceitos ou hábitos pode estar atrapalhando a felicidade.

Por exemplo, você reflexivamente, embora talvez inexplicavelmente, odeia pedir desculpas?

Algumas das evidências mais convincentes que sugerem que a plenitude pode ser um catalisador para a felicidade vem do aplicativo Track Your Happiness para iPhone, que atrai milhares de pessoas em todo o mundo para compartilhar suas atividades e sentimentos ao longo do dia.

Como o fundador e cientista Matt Killingsworth relatou na Science, suas descobertas sugerem que as pessoas apreciam mais o que estão fazendo se estiverem focadas no que estão fazendo, no momento em que estão fazendo.

Desde esperar na fila para assistir a filmes, se estamos prestando atenção a isso em vez de pensar em outra coisa, tendemos a gostar mais disso.

Na mesma linha, outros estudos relatam que a plenitude aumenta o prazer do chocolate e do sexo.

3. Cultivar felicidade dá trabalho

Sobre a felicidade

Como aprender a tocar o ukulele, aumentar nosso nível geral de felicidade não é algo que possamos fazer de uma só vez.

Ao longo do curso de Ciência da Felicidade, enfatizamos a descoberta recorrente de que, de todas as formas, a maneira mais promissora de aumentar a felicidade é investir em relacionamentos sociais – fortalecer nossas conexões, aperfeiçoar hábitos de bondade e realizar trabalhos que contribuam para algo maior do que nós mesmos.

Lamentavelmente, particularmente nos Estados Unidos, as normas sociais não favorecem esses objetivos.

As capacidades humanas que orientam o cuidado, a boa vontade e o serviço ao bem maior são menos valorizadas e, portanto, exercem cada vez menos influência sobre nossas experiências cotidianas.

Em vez disso, os ambientes em que passamos a maior parte do tempo, como escolas e locais de trabalho, se concentram mais na independência, na autodeterminação e na competição entre colegas.

Normas culturais como essas aprimoram nossa expertise em foco pessoal; somos realmente bons em maximizar o interesse próprio e suspeitar de qualquer coisa que ameace nossa riqueza ou reputação.

Assim como a fisioterapia após uma lesão, é preciso compromisso para fortalecer e recuperar a função de nosso comportamento “pró-social” essencial – aprender habilidades em torno da confiança, reconciliação e trabalho em equipe.

Para fazer isso, a maioria de nós precisa desvendar alguns dos nossos hábitos existentes e ser vulneráveis. Manter ressentimentos, por exemplo, pode parecer justo e essencial para quem somos e para onde estamos.

O perdão, por outro lado, reduz a pressão arterial, melhora a saúde cardiovascular e estimula a facilidade e a conexão social. Mas é difícil deixar as coisas para trás.

Como eliminar o alicerce desmoronado de um prédio e reconstruí-lo para durar, a busca da felicidade é um processo deliberado e, às vezes, frágil, que exige esforço contínuo.

Sempre que ensino a ciência da felicidade, tento deixar as pessoas com algo que elas podem fazer logo depois de saírem da sala. Muitas vezes a mensagem mais simples e acessível é a gratidão.

Se sentir grato promove uma compreensão mais precisa da felicidade, fortalecendo nossas conexões sociais e nos motivando a nos envolver e a retribuir aos outros.

A gratidão é um tema das práticas de plenitudes, e está diretamente focada no papel que os outros desempenham na bondade de nossa própria vida.

Refletir e expressar gratidão é um exercício de aproveitar o prazer, construir confiança e suavizar o foco pessoal; nós reconhecemos o que é bom e atribuímos a fonte dessa bondade a outros, e isso pode ajudar qualquer um a evitar as armadilhas comuns de buscar a felicidade.

Como podemos ser melhores em expressar gratidão? Tente isto: ao agradecer a alguém:

1) diga o que eles fizeram pelo que você é grato

2) reconheça o esforço que eles levaram para eles fazerem isto, e

3) descreva como isto foi bom para você.

Fonte: Awebic

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Vida em Equilíbrio

Vida em Equilíbrio

Para viver bem, é necessário ter a saúde corporal e mental em equilíbrio. Nossa intenção é proporcionar todo o conteúdo que irá lhe ajudar a ter uma vida mais saudável.