9 hábitos mentais que geram negatividade em nossas vidas

Ao longo de nossas vidas, nos deparamos com todos os tipos de pessoas.

O fato de que estamos propensos a classificá-las como “tipos” mostra o quanto tendemos a acreditar que as pessoas são de certas maneiras por natureza.

Mas a verdade é que muitos aspectos de nossas personalidades e composições emocionais se desenvolvem ao longo do tempo através dos hábitos psicológicos que adotamos.

As formas como interpretamos os eventos, os pensamentos que passam pela cabeça e as explicações que nos damos sobre como o mundo funciona nos afetam diretamente.

Poucas pessoas querem se tornar amargas e negativas, e, no entanto, não é incomum, especialmente para pessoas que passaram por momentos mais difíceis.

Quer ter uma visão mais esperançosa e otimista da vida? Veja se consegue diminuir esses hábitos mentais e siga a partir daí:

1. Não perdoar os outros.

Muitas pessoas igualam o perdão ao esquecimento de que algo aconteceu, ou dizendo que estava tudo bem. O perdão não é isso. E muitas pessoas afirmam que perdoaram alguém por algo, enquanto, na realidade, não perdoaram.

O que o verdadeiro perdão significa é se permitir estar livre do ressentimento de ter sido injustiçado, aceitar que algo ocorreu e acreditar que você merece seguir em frente.

É declarar sua independência da busca de como se vingar de outra pessoa, parar de pensar em como fazê-los “compensar isso” e continuar deixando isso corroer seu bem-estar emocional.

É deixar para trás, em seu sentido mais saudável e verdadeiro.

O perdão não minimiza o erro das ações de alguém. Apenas permite que você não seja mais ferido por ele.

O perdão está associado à redução da depressão, estresse e hostilidade, além de melhorar a autoestima e até mesmo a saúde física.

Quando você olhar para seus benefícios, verá que é sobre ser gentil com você mesmo, não sobre fazer um favor para outra pessoa.

2. Não perdoar a si mesmo.

Ainda mais gentil é se permitir superar seus próprios erros. Arrependimento, constrangimento, vergonha e culpa de um único erro podem assombrá-lo por anos.

E os pensamentos negativos subsequentes, o estresse e a visão pessimista, podem criar uma dinâmica na qual você vê o mundo de uma maneira amarga – tudo porque acha que é indigno de se sentir bem.

Na verdade, foi revelado que perdoar a si mesmo pode ajudar a reduzir os sentimentos de depressão.

Se você se sentir atormentado por pensamentos de erros do passado, comece a perceber e explorá-los: quando eles estão no pior momento? Que sentimentos eles provocam? O que os faz ir embora?

Se você está trancado em uma briga interminável com os pensamentos, tentando “raciocinar” para sair deles, veja se em vez disso você pode aprender a aceitar a presença deles sem endossar o significado deles:

“Eu estou tendo o pensamento novamente sobre quando eu fui muito cruel com meus pais. Oi, pensamento. Eu te ouço aí. Você não pode me machucar agora, porque estou decidindo o que comer no almoço.”

3. Pensamento de tudo ou nada.

É incrível a frequência com que o pensamento de tudo ou nada parece fundamentar essa variedade de estados psicológicos doentios.

Do pânico à baixa autoestima, do perfeccionismo ao desespero, não é incomum descobrir padrões ocultos e não tão ocultos desse pensamento disfuncional em meus clientes quando eles estão lutando com uma visão de mundo negativa.

O que o pensamento de tudo ou nada faz, por sua própria definição, é tornar sua visão da vida mais rígida. Ele aumenta a negatividade, fazendo parecer maior do que realmente é.

Ele mantém sua mente focada no que está errado, não no que deu certo, e o coloca para ver o que é ruim nas pessoas, nas coisas e na vida com mais frequência do que o que é bom.

Veja se você consegue se pegar cometendo esse erro na vida diária: você é inerentemente desconfortável com tons de cinza e prefere que as coisas sejam mais em preto e branco?

Isso pode ser bom para organizar um armário, mas quando se trata de como você processa coisas ruins acontecendo, isso pode machucá-lo.

hábitos mentais que podem fazer você sentir amargura

4. Colocar os outros em um padrão mais elevado que você.

Quando você está constantemente desapontado e incomodado com as pessoas ao seu redor, isso pode significar que você não está sendo tratado da maneira que merece.

Também pode significar que você está escolhendo pessoas mal ajustadas para acompanhá-lo ao longo da vida.

Ou, mais provavelmente, pode significar que você tem um conjunto de padrões excessivamente rígidos para o comportamento de outras pessoas que você não aplica a si mesmo.

Na verdade, às vezes somos mais duros com os outros quando vemos nossos próprios traços – coisas que não gostamos de admitir ou examinar. Vê-los nos outros nos deixa desconfortáveis.

Como o hipócrita clássico que faz cruzadas contra pecados muito menores do que aqueles que ele ou ela comete em sua vida privada, está fadado a criar uma desconexão dentro de nós que causa estresse, hostilidade e negatividade.

Examine o que realmente está acontecendo quando você está cronicamente frustrado com alguém, seja o estranho na pista ao lado na estrada ou seu colega de quarto bagunceiro.

Você está olhando para a situação toda? E se, em vez de se banhar de energia negativa, você escolhesse refletir sobre a última vez que cometeu um erro e a maneira como ele pode ter parecido para os outros?

Enviar empatia aos outros, mesmo quando menos deseja, pode ser uma ferramenta surpreendentemente poderosa para se livrar da raiva.

5. Acreditar que as coisas nunca vão melhorar.

A desesperança severa pode ser particularmente perigosa, colocando as pessoas em maior risco de depressão e até mesmo de suicídio. Mas mesmo crenças mais leves sobre como as coisas nunca melhoram podem causar danos significativos no dia a dia:

“Minha irmã não tem jeito”, “nunca poderei pagar meus empréstimos estudantis” e “o mundo é um lugar ruim e está piorando” são todas as crenças que mostram desesperança e podem cegar uma pessoa para evidência contrária e significativa.

Uma vida inteira é, para a maioria de nós, uma jornada de décadas que vê muitos altos e baixos e muito vai e vem.

Acreditar que há uma trajetória descendente obstrui a beleza das coisas cotidianas e mantém você acreditando irremediavelmente e imprecisamente nas ideias negativas – dando-lhes um poder de permanência que elas não merecem.

Imagine quanta paz você pode sentir simplesmente se permitindo acreditar que coisas harmoniosas e belas estão por aí no mundo, ainda para serem experimentadas.

É preciso prática para vê-las, mas elas estão lá e sempre estarão.

6. Acreditar que você tem menos controle sobre sua vida do que realmente tem.

O desamparo aprendido, identificado pela primeira vez por Martin Seligman, envolve a crença de que não temos controle sobre nossas situações, mesmo nos casos em que temos, e assim nos convencemos de que não devemos sequer tentar.

Essa mentalidade demonstrou estar correlacionada à depressão e, para algumas pessoas, ela segue um período de tempo em que elas realmente não tinham muito controle sobre suas vidas – talvez enquanto sofriam de abuso ou negligência, por exemplo.

Mas quando a crença de que não temos poder persiste depois que, na verdade, recuperamos o poder, estamos nos negando o potencial de melhorar nossas vidas. E aumentamos a probabilidade de vermos o mundo como um lugar intrinsecamente desmoralizante, nos convencendo de que não podemos fazer a diferença.

Quanto mais sentimos que conduzimos nosso próprio barco, mais podemos construir uma vida que nos convém.

Você está subestimando sua capacidade de sair desse emprego sem saída, encontrar um parceiro que o trate bem ou desenvolver uma solução pacífica para sua briga de anos com seu irmão? Se sim, você está fazendo um grande desserviço a si mesmo – e aumentando suas chances de deixar sua mentalidade endurecer em amargura.

hábitos mentais que podem fazer você sentir amargura

7. Acreditar no mito da chegada.

O mito da chegada se refere à ideia de que uma vez que você “chegou” em um certo ponto de sua vida, tudo se encaixará e a vida que você esperou finalmente começará.

Mas às vezes essa crença – de que as coisas melhoram automaticamente quando uma coisa acontece – pode ser quase tão prejudicial quanto acreditar que as coisas nunca vão melhorar, porque a primeira deixa você com uma decepção devastadora quando as coisas realmente não melhoram.

“Uma vez que eu finalmente conhecer a pessoa ideal / conseguir minha promoção / perder aqueles 10 quilos / morar em uma casa maior / colocar meus filhos em vidas independentes e bem-sucedidas… então eu vou ser feliz” são maneiras comuns de pensar.

Mas colocar nossa felicidade em espera – e nas mãos de um evento de vida aleatório que pode ou não ter qualquer efeito sobre nossa felicidade – está dando poder demais a uma situação externa e não é suficiente para nós mesmos.

Isso nos rouba a capacidade de encontrar alegria em nossos próprios termos. Nos faz perder a viagem proverbial, pois estamos muito focados no destino.

O pior de tudo é que isso nos leva a um colapso quando percebemos que não foram os 10 quilos que nos deixaram deprimidos – foi o fato de estarmos deprimidos, por diferentes razões, que nos obrigou a engordar 10 quilos em primeiro lugar.

8. Generalização excessiva.

Foi um dos “erros cognitivos” que Aaron Beck identificou pela primeira vez que coloca as pessoas em maior risco de depressão, e muitas vezes se manifesta em acreditar que se você falhar em uma coisa, você irá falhar em tudo.

A tendência a generalizar demais – transformar um montinho de terra em uma montanha – também está subjacente aos padrões de pensamento de muitas pessoas que têm visões negativas sobre o mundo ao seu redor.

Às vezes, esse tipo de pensamento pode até parecer paranoia: “Dê a alguém uma mão e ele vai querer o seu braço” ou “se deixar, todo mundo vai tirar vantagem de você.”

É verdade que nem toda pessoa é um modelo de virtude, mas também é verdade que há muita bondade por aí, se você simplesmente se deixar procurá-la.

E só porque há golpistas não significa que você deveria parar de ajudar aqueles que não são. Afinal, ajudar os outros nos dá um impulso de humor.

Portanto, examine suas crenças para ver se você está – contra todas as evidências disponíveis – generalizando o mundo em um lugar perigoso ou hostil, o que pode mostrar hostilidade vinda de dentro.

9. Não praticar gratidão.

Você provavelmente já ouviu: ser grato por coisas grandes e pequenas traz grandes mudanças à sua saúde mental.

É muito mais difícil amargurar sua chegada atrasada ao jantar e arruiná-lo, se você se permitir reconhecer como as árvores florescendo do lado de fora da janela do restaurante estavam lindas enquanto você esperava sua mesa, ou o fato de que você é capaz de pagar alguém para cozinhá-lo uma refeição – ou o fato de que você estava com alguém que poderia fazer você rir, não importa o quanto seus estômagos estavam roncando.

Algumas pessoas podem pensar que meditação de gratidão ou manter uma lista de coisas pelas quais você é grato é piegas.

Mas você preferiria ser um pouco piegas ou ser a pessoa que passa a vida inteira sem os benefícios de saúde mental e física – depressão diminuída, funcionamento aprimorado do sistema imunológico e saúde do coração, entre muitos outros – que a gratidão traz?

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Vida em Equilíbrio

Vida em Equilíbrio

Para viver bem, é necessário ter a saúde corporal e mental em equilíbrio. Nossa intenção é proporcionar todo o conteúdo que irá lhe ajudar a ter uma vida mais saudável.