5 exercícios para enfrentar o que nos faz mal

Certamente, ninguém nos ensinou a enfrentar o que nos faz mal diretamente, como nos ensinaram matemática na escola. Sempre disseram “não chore”, “o tempo cura tudo”, “vai passar”… Mas nada disso ajudou, e pode até ter piorado a situação. Portanto, hoje propomos 5 exercícios para enfrentar o que nos faz mal.

Ignorar a dor que você sente ou deixar que passe despercebida não é uma opção. Essa emoção precisa de uma atenção especial, mesmo que doa. Devemos enfrentá-la para que não fique reprimida e continue a corroer nossa pele por muitos anos.

Conselhos para enfrentar o que nos faz mal

1. Aprenda a soltar a dor

Para fazer o primeiro exercício, você vai precisar apenas de um lápis ou um objeto pequeno que não se quebre. Segure-o na sua mão e aperte com força, o máximo que puder. Agora, você vai imaginar que esse objeto são suas emoções, seus pensamentos, ou aquela pessoa que não lhe faz bem.

No começo, apertar este objeto será desconfortável. Depois, vai acabar machucando sua mão. Quando isso acontecer, solte e permita que esse objeto, no qual você visualizou tudo o que lhe fazia mal, caia no chão. Observe como você foi capaz de soltá-lo e como você se agarrava a ele. O mesmo ocorre com todas as emoções ou pessoas que lhe causam tanta dor. Você pode soltá-las.

Quando nos apegamos a certas situações, consideramos que já fazem parte de nós, mesmo que nos façam mal e não possamos perceber que somos nós que escolhemos sofrer. A qualquer momento, podemos nos desapegar.

2. Observe a maneira como você fala

Este segundo exercício para enfrentar o que nos faz mal vai ajudá-lo a entender de que maneira você fala. Talvez você acredite que o faça de uma maneira positiva, mas ficará surpreso quando descobrir que convive com mais frases e pensamentos negativos do que pensava.Para realizá-lo bem, vamos dar um exemplo.

Imagine que você está na academia e que alguém começa a conversar com você. Quando você se despede, a outra pessoa diz “Fico feliz por ter falado com você” e você demora a reagir. Você fica um pouco nervoso e responde um pouco inseguro “Eu também”. Enquanto você anda até os vestiários, não consegue parar de pensar em como é bobo e no papel de ridículo que sempre faz ao falar com outras pessoas.

O importante é que você esteja ciente de todas essas situações e que, quando puder, fique diante de um espelho e diga a si mesmo o que pensou. Isso é positivo? Você vai perceber como prejudica sua autoestima repetidas vezes sem se dar conta.

3. Prenda-se ao presente

Uma maneira de enfrentar o que nos faz mal é colocar em prática outro exercício: prender-se ao presente. Certamente você conhece a técnica do mindfulness. Portanto, vamos ver como você pode se concentrar no momento presente, esquecendo o passado e o futuro por um momento para superar a dor.

Durante uma semana, escolha algo em que você deseja se concentrar.Por exemplo, na segunda-feira, em como você respira, na terça-feira, em como seus pés estão em contato com o chão, na quarta-feira, em como a água flui em sua pele ao lavar as mãos, lavar a louça ou ao tomar banho… Faça o mesmo para o resto dos dias da semana. Isso irá ajudá-lo a apreciar as pequenas coisas e lhe permitirá soltar um pouco mais o que lhe faz mal.

Apegar-nos ao que nos faz mal nos impede de desfrutar as pequenas coisas, porque tudo gira em torno dessa dor que podemos liberar a qualquer momento.

4. Coloque-se no pior cenário

Este quarto exercício para lidar com o que nos faz mal permitirá subtrair o drama da situação que está nos fazendo sofrer. Muitas vezes, as emoções obscurecem a visão de tal forma que parece que tudo é terrível. Por causa disso, você vai tentar se colocar no pior cenário.

Imagine que seu parceiro e você não estão bem. Você está, há algum tempo, apegado a um relacionamento que lhe faz mal e é difícil acabar com isso. Às vezes, você vê claramente a decisão que deve tomar, mas o medo o invade e impede que você aja. Embora seja difícil, pense no pior.

Qual é o pior que poderia acontecer? Talvez, ficar sozinho, ser diferente do resto de seus amigos por não ter um parceiro, não estar com alguém que lhe dá amor… Sugerimos que você anote todas essas circunstâncias difíceis, mas não dramáticas. Assim, você perceberá que muitas coisas que coloca no papel não são tão sérias.

Para cada resposta, tente dar razões pelas quais isso deveria lhe fazer mal. Em alguns casos, você verá que não obtém uma resposta que não seja absurda. Em outros, você perceberá que uma situação pode doer, mas o que te faz sofrer é o fato de se apegar a ela.

5. Uma pergunta essencial

Apegar-se à dor é algo que leva, inevitavelmente, ao sofrimento.Portanto, todos os exercícios para enfrentar o que nos faz mal que mencionamos podem ajudá-lo a ver mais claramente tudo que acontece com você. Assim, será mais fácil tomar uma decisão que o beneficie.

Para finalizar, um último exercício consiste em fazer uma pergunta essencial. O que você diria para alguém que estivesse passando pelo mesmo que você? Imagine que é o seu irmão ou um amigo que está vivendo a situação pela qual você está passando. A resposta para a pergunta que você fez será o que deve ser aplicado a você mesmo. Esta pergunta pode ajudá-lo a abrir os olhos.

Tendemos a nos apegar à dor, fazendo com que ela se transformasse em sofrimento. O irônico é que podemos soltá-la quando queremos, mas para conseguir isso, temos que estar conscientes do que estamos fazendo. Quantas vezes você se apegou ao que lhe fazia mal? Como conseguiu sair dessa situação?

Fonte: A Mente é Maravilhosa

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Vida em Equilíbrio

Vida em Equilíbrio

Para viver bem, é necessário ter a saúde corporal e mental em equilíbrio. Nossa intenção é proporcionar todo o conteúdo que irá lhe ajudar a ter uma vida mais saudável.