Um Alimento para um Fantasma

Sec. XVIII surge a corrente de pensamento no campo da sociologia por Augusto Comte, conhecida como o positivismo, na qual compreende que para uma evolução da sociedade é necessário que os conhecimentos científicos (observação e experimento) sejam tidos como a fonte segura do conhecimento e não os mitos, crenças populares ou o que a igreja por si dizia como verdade, logo a ciência que é a fomentadora do conhecimento verdadeiro, ou o que mais se aproxima da verdade.

Na década dos anos 10’ do no novo milênio, com a expectativa melhorando, a grande preocupação do momento é: melhorar a qualidade de vida, seja controle de peso, seja evitando doenças em uma idade precoce e até mesmo a busca por soluções pelo fantasma que veio a tona no nosso milênio: A depressão, esta que a OMS já afirmou que seria a maior epidemia da década de 20’ do novo milênio, e ai está, se tornou, no campo científico já há um consenso do que seria a depressão e qual seriam suas ações nas pessoas, uma breve introdução a essa epidemia concluíram que: a depressão é um distúrbio da produção de neurotransmissores , segundo o escritor do livro raízes da depressão, Marcos de Souza Borges, os neurotransmissores são mensageiros químicos que favorecem a comunicação entre as células do sistema nervoso, e com isso a depressão pode ser causada por dois tipos de situação: a) escassez, quando há uma deficiência crônica na produção destes neurotransmissores e b) problemas na modulação, o organismo ora produz em demasia, deixando a pessoa em estado de euforia, ora produz pouco deixando a pessoa deprimida, o transtorno depressivo bipolar. Sabendo isso, logo a psiquiatria clássica conclui que: para solução desse fantasma seria necessário à regulamentação desses neurotransmissores no sistema nervoso do paciente enfermo.

Os principais neurotransmissores são: serotonina, noradrenalina GABA, dopamina, acetilcolina, entre outros. Os mais conhecidos são a serotonina, dopamina e a noradrenalina; a primeira melhora o humo e as outras duas proporcionam energia e disposição.

A psiquiatria clássica tinha como passar drogas preceituadas para tentar resolver o problema de produção dos neurotransmissores, questão é que o problema foi aliviado, mas não resolvido, a epidemia mantém-se sem ser combatida e novos estudos foram realizados, como a medicina ortomolecular, que utilizam substâncias que atuam aumentando a produção de serotonina sem impedir a receptação natural pelo organismo, substâncias como o triptofânio, um aminoácido que é encontrado nas proteínas do leite, carne e ovo, tendo grande eficiência na formação da serotonina e melhorando os sintoma da depressão, no entanto se houver uma dieta pobre em carboidratos pode ocorrer alterações no humor, logo é necessário um equilíbrio na ingestão destes nutrientes., pois o níveis cerebrais de serotonina são dependentes da ingestão de alimentos fontes do aminoácidos triptofânio e de carboidratos.

O carboidrato por sua vez leva o aumento de insulina, que auxiliam na limpeza dos aminoácidos circulantes no sangue e facilita o triptofânio chegar ao cérebro.

Sabemos que o problema da depressão é muito complexo e que a cada novos estudos que visam a solucionar essa doença que atingem mais de 20% da população mundial, segundo a OMS, se fazem  necessários, também é importante adquirimos conhecimento para termos recursos para resolver esse problema, hoje “muitas pessoas que atualmente vivem à base de antidepressivos necessitam, na verdade, de uma profunda investigação sobre suas condições  de nutrição, digestão, e absorção”¹.

 

 

Outras fontes de aminoácido de triptofânio.

  1. Iogurte desnatado
  2. Queijos brancos e magros
  3. Carnes magras
  4. Peixes
  5. Nozes
  6. Banana
  7. Arroz
  8. Feijão
  9. Lentilha
  10. Castanhas
  11. Abacate
  12. Soja e derivados.

 

E fontes de bons carboidratos.

  1. Pães e cereais integrais
  2. Biscoitos integrais
  3. Massas integrais
  4. Arroz integral e selvagem
  5. Legumes
  6. Frutas
  7. Mel

 

 

Já dizia um antigo proverbio popular: “Faça do seu alimento, seu remédio”.

 

 

 

Referências bibliográficas :

Raizes da Depressão, De Souza, Marcos. Almirate Tamandaré, PR Jocum Brasil,2011.

¹ Raizes da Depressão, De Souza, Marcos. Almirate Tamandaré, PR Jocum Brasil,2011. Pg 16

 

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

João de Jesus

João de Jesus

Graduando em Letras Licenciatura e suas respectivas Literaturas
Amante das artes; Literatura, Música e Cinema.
Uma boa conversa com um cafezinho, está perfeito !
"A força da evolução é infinitamente maior que os obstáculos que impendem o caminho." Efeito Sombra