Psicólogos analisaram o perfil psicológico dos personagens de Game of Thrones. Confira

game-of-thrones

No momento em que pensamos em séries famosas, logo “Game of Thrones” ou “The Walking Dead” nos surgem na mente, e quando um seriado alcança tanto sucesso, é natural que fãs e admiradores encontrem paralelos entre as histórias dos personagens e pessoas da vida real — em tempos de crise política, os políticos brasileiros têm sido vistos interna e externamente como uma versão mais exagerada de “House of Cards”, por exemplo.

Nesse mesmo caminho, existem muitos psicólogos que dedicam suas vidas a escrever livros que colocam os personagens dessas séries no divã.

diva-will-graham-hannibal

Pensar na possibilidade de analisar aspectos psicológicos de personagens causa uma certa curiosidade, não? Pois é, não é só em você. Durante a última edição da WonderCon, em Los Angeles, um dos painéis visava exatamente analisar os perfis psicológicos dos habitantes de Westeros, a terra fictícia onde habitam os diversos clãs que disputam o poder em “Game of Thrones”.

O painel, liderado pelos psicólogos Travis Langley (autor de “Psicologia em ‘Game of Thrones’” e “A Psicologia de Batman”), Janina Scarlet (autora de “Psicologia em ‘The Walking Dead’” e psicóloga que usa a cultura geek como elemento de terapia comportamental em seus pacientes), Erin Currie (“Psicologia em ‘Doctor Who?’”), Jenna Busch (“Psicologia em ‘Star Wars’”) e Matt Munson (“Psicologia em ‘Star Trek’”), descreveu em detalhes todas as paranóias que encantam os fieis espectadores da série.

Cersei Lannister — Traumatizada

game1

Essa personagem tem, definitivamente, uma forte conexão com a família. Cersei, protege seus filhos de qualquer maneira, com tudo que estiver ao seu alcance. Talvez não do melhor jeito, afinal ela tem sérios problemas de confiança e um trauma de que ninguém fala. Em famílias reais, o casamento é forçado, e isso causa sérios danos. Casar-se com alguém que você nem conhece e ainda por cima ser apaixonada por outro é não é algo fácil de lidar, nem de aceitar. Em um ponto ela diz para o marido que o amava no começo, mas que ele sempre amou outra. Isso na cabeça de uma adolescente que, segundo ela, tentou fazer o casamento funcionar e foi tratada como lixo é algo desastroso. Há sinais claros de abuso emocional. Ela nunca aprendeu compaixão em sua família. E o único homem que a vê como pessoa é seu irmão.

Joffrey Baratheon — Inseguro

2

“Tá certo, ele é mau, mas eu prefiro dizer que ele é um produto de seu meio. Louco, certo? Mas sendo um rei absolutista, ele acha que pode tudo, inclusive atirar em uma prostituta. Talvez ele não seja mau, mas alguém que se obriga a ser mau, porque temos que considerar que lhe foi dado muito poder e ele é um adolescente cujas ideias ainda não foram formadas”, disse Matt Munson, mas que foi retrucado longe em seguida: “Não, ele gosta daquilo além da medida.” Janine Scarlet afirma que o rei carrasco possuia uma necessidade enorme de provar para si mesmo que tinha poder. “Embora ele pareça ter muita autoestima, é claro que ele não tem nenhuma. Pessoas que precisam o tempo todo humilhar as pessoas têm uma tendência à violência. Toda vez que ele ouve que os Lannisters perderam uma batalha, ele precisa descontar em alguém. Ele não suporta qualquer tipo de derrota. Ele é muito inseguro.”

Melisandre — Má e manipuladora

3

De acordo com a psicóloga Janina Scarlet, Melisandre, essa personagem pode ser considerada má porque ela manipula as pessoas a ponto de fazê-las queimarem em uma fogueira os próprios filhos. E quando você começa a pôr fogo em crianças, é porque você cruzou a linha da maldade.

Mindinho — Psicopata

Mindinho é um cara que vive em seu mundo, que diga-se de passagem é bastante cheio. O seu mecanismo de sobrevivência é fazer aquilo que ele faz. Então, para ele, ele não é um psicopata, ele apenas está jogando o jogo de maneira que não seja morto, o que é um desafio naquela sociedade (embora ele tenha uma das principais características da psicopatia, que é a completa falta de empatia pelo outro).

Ramsay Bolton— Maquiavélico e psicopata

A definição de maquiavelismo, de acordo com os psicólogos presentes, é um indivíduo que tem um grande carisma e influencia as outras a segui-lo por meio de truques ou de charme. Alguém manipulador. Além disso, a pessoa tem um senso de posse e poder. Tyrion Lannister poderia ser um deles, mas a conclusão da mesa foi a de que Ramsey preenche todos os requisitos. E mais: sua falta de empatia e o prazer em torturar suas vítimas apenas confirma a tese de sua psicopatia.

Walder Frey — O pior

Segundo Erin Currie, não há ninguém pior em “Game of Thrones” que Walder Frey, o arquiteto do massacre que deixou dez entre dez fãs da série totalmente sem chão — episódio conhecido como “O Casamento Vermelho”, onde morreram Rob e Catelyn Stark. “Ele é o tipo de cara que não tem a menor compaixão por quem não lhe proporcione poder. Ele não é do tipo que suja as mãos, mas é bem narcisista e acha que o mundo gira ao seu redor.”

Arya Stark e Brienne de Tarth — As boas

Embora tenha matado muita gente e ser uma manipuladora de “mão cheia”, Arya ainda não foi considerada uma psicopata, porque duas de suas principais características são a empatia e o senso de Justiça. Ver o pai ser morto daquele jeito mexe com sua cabeça, mas ela reconhece o que tem que fazer e como fazer para defender aqueles que foram vítimas. Outra que se encaixa na mesma categoria é Brienne de Tarth, por sua nobreza, seu código de ética, e o fato de ela não buscar o poder e não vilipendiar aqueles que são mais fracos que ela.

Snow e Sam Tarly — Os bons

No time dos homens de Game Of Thrones, também entra na categoria dos bons o bravo Jon Snow. Ele se sacrifica por todos, arrisca a própria vida para salvar gente que ele mal conhece e junta os bravos para livrar pessoas injustiçadas. Junto a ele, Sam Tarly, que supera sua covardia ao defender outros, além de ser muito nobre. “Eles são os mais corajosos da série”, avalia Janina Scarlet.

Jaime Lannister — O renascido

Mesmo que tenha iniciado a série empurrando uma criança da janela de uma torre, Matt Munson considera que ao ter tido sua mão decepada, o personagem passou por uma morte simbólica que o transformou em um homem melhor. “Ele é o personagem que está crescendo e se transformando, o que não é uma boa ideia em se tratando de ‘Game of Thrones’, porque sabemos que os bons fatalmente acabam mortos nesta série.”

Tyrion Lannister — O sábio

Apesar de todos os problemas de autoestima sofridos, após a morte de seu pai e o afastamento de sua família, quanto mais assistimos, mais vemos sua evolução de um homem cínico a um empático aos outros. Além disso, desde a segunda temporada, vê-se como ele foi uma ótima mão do rei, inclusive tendo livrado Porto Real do ataque marítimo de Stannis Baratheon.

(Autor: James Cimino)
(Fonte: tvefamosos.uol.com.br )

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Vida em Equilíbrio

Para viver bem, é necessário ter a saúde corporal e mental em equilíbrio. Nossa intenção é proporcionar todo o conteúdo que irá lhe ajudar a ter uma vida mais saudável.